Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

O Cavaleiro da Morte, de Bernard Cornwell

“Reputação é honra, mas para obter essa honra o homem deve ficar na parede de escudos, onde a morte campeia.”



No segundo livro de As Crônicas Saxônicas, Uhtred volta para a sua casa depois da batalha de Cynuit, onde derrotara Ubba Lothbrokson. Mas quem levou a fama de ter matado o temido dinamarquês Ubba foi Odda, o Jovem; e Uhtred não gostou nada disso. Ao voltar a Wessex para se encontrar com Alfredo, ele quebra uma lei que nem sabia que existia. Uhtred interrompe uma missa e entra num lugar improvisado de igreja com Bafo de Serpente, e essa foi a sua transgressão. Os soldados da guarda real cercam-no e ali ele sabe que cometeu o erro de entrar com armas na presença do rei. E a punição para quem comete essa transgressão é a morte, mas Alfredo decide humilhá-lo e isso só faz que o ódio que Uhtred nutre pelo rei só aumente.

Mas mesmo odiando Alfredo e o cristianismo, Uhtred, depois de fugir dos dinamarqueses que quebraram a trégua que havia combinado com o rei e invadido Cippanhamm, o destino quis juntar os dois em Æthelingæg, uma região pantanosa. O destino é inexorável. Alfredo estava fugindo dos dinamarqueses com a sua família e um padre, e Uhtred ajuda-os mesmo sem saber que aquelas pessoas é a família real. Uhtred faz um juramento ao rei, que estava enfraquecido, de proteger a sua família e começa a convocar os fyrd dos ealdorman que não tinham desertado para formarem um exército e derrotar Gutrhum e recuperar Wessex. Os dinamarqueses já tinham tomados três reinos, o de Mércia, da Nortúmbria e de Ânglia Oriental. E tomando Wessex, não havia Inglaterra. Os saxões não permitiriam que pagãos tomassem a última esperança de um reino inglês. Deus não permitiria.

Bernard Cornwell tece uma trama cheia de traições, orgulho e esperança. O autor coloca Alfredo, o Grande, como um rei frágil e devoto ao extremo. 

“Mais parecia um padre do que o rei dos saxões do oeste, porque tinha o rosto irritado e pálido de alguém que passa tempo demais longe do sol e debruçado sobre livros, mas havia uma autoridade indubitável em seus olhos.”

Uhtred é violento, orgulhoso e ainda fica indeciso em qual lado ficar: dos pagãos, ou dos cristãos. Ele escolhe a última opção, porque o destino é inexorável. Só nas últimas páginas vemos a arrogância de Uhtred esvaindo-se. As cenas das batalhas são, como todos esperam, incríveis. A descrição da formação da parede de escudos, dos homens marchando e chocando-se parede contra parede é realmente sensacional. Ao ler essas cenas, podemos escutar os escudos chocando-se, os gritos dos homens, o barulho das espadas, o cheiro de sangue e o medo que aqueles homens sentem da morte. O ápice do livro, o momento que realmente me tirou o fôlego, foi o último capítulo, da guerra que leva Alfredo à vitória. A famosa Batalha de Ethandun. Cabeças rolam, literalmente, e um milagre acontece. Pois Guthrum tem mais homens que Alfredo, mas isso não impede que os saxões botem os pagãos para correr.

Teve alguns personagens que me conquistaram, e quando morreram, eu pensei em colocar Cornwell na frente de uma parede de escudos. O destaque desse livro, sem dúvida, foi o padre britânico Pyrlig, que é extremamente sarcástico e totalmente diferente dos padres que já nos foram apresentado. Ele tece comentários sobre as mulheres, que elas são mais poderosas que os homens, e de que quando uma corresse atrás de um homem com uma espada, ele morreria. Isso mostra o papel das mulheres naquele tempo, e creio que nos próximos livros elas vão aparecer mais na trama e exercer um papel de grande importância.

Esse é o verdadeiro dom das mulheres, ser sábias e não são muitos os homens que o têm.

Uma leitura agradabilíssima e empolgante. Juntamente com Toby Clements, Cornwell é o meu favorito quando se trata de romance histórico.

Comentários

  1. O Uhtred é muito inconsequente nesse 2º livro, mas a raiva que eu senti pelo Alfredo foi maior. hauhauhauha

    Leia logo o 3º, é muito bom!

    http://desbravandolivros.blogspot.com.br/2012/08/resenha-o-cavaleiro-da-morte-bernard.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alfredo também me fez sentir um pouco de raiva rs. Agora só vou conseguir ler o terceiro no próximo ano, a lista de livros está enorme! Abraços

      Excluir
    2. Bah, te recomendo fortemente ler o 3º livro antes de dar uma parada. Ele fecha tipo um "ciclo" na vida do Uhtred. Acredite, leia logo, depois pode dar uns meses de folga!! ;)

      Excluir
    3. Vou fazer de tudo para ler o terceiro, quando o assunto é Cornwell você é que manda rs

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…