Pular para o conteúdo principal

A alma do mundo, de Roger Scruton

Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.
As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso …

Três ratos cegos e outros contos, Resenha do Livro

Três ratos cegos
Três ratos cegos
Veja como eles correm
Veja como eles correm
Correm atrás da mulher do sitiante
Que seus rabinhos cortou com um trinchante
Quem terá tido visão tão chocante
Como três ratos cegos.

Três ratos cegos e outros contos é a mais importante compilação de contos da literatura policial. Agatha Christie escreveu a história que deu origem a peça teatral mais encenada de todos os tempos1. Nesse livro, que traz nove contos maravilhosos, Agatha escreve com maestria as histórias mais incríveis para todos os amantes da literatura policial. O primeiro conto, Três ratos cegos, traz um intrigante caso de assassinato em série. Giles e  Molly se casaram recentemente e se mudaram para o casarão da falecida tia de Molly. Com uma ideia de transformar a enorme casa em hospedaria, ela convence Giles e os dois agora são donos de uma Hospedaria.
Os primeiros clientes são os mais curiosos que o casal podia imaginar. Após ouvir uma notícia no rádio de que uma mulher fora assassinada em Londres, Molly fica com um pouco de medo e teme que o assassino apareça por aquelas bandas. Os hospedes chegam pouco a pouco. A canção de ninar que dá nome ao conto vira uma cantiga macabra. Isso porque a mulher que fora encontrada morta em Londres tinha em sua roupa um papel com um trecho da cantiga Três ratos cegos. Ilhados por conta da neve, os policiais em Londres ligam para a Hospedaria avisando que o assassino estaria indo para lá. Uma história intrigante, surpreendente e fascinante. O primeiro dos nove contos é uma obra prima. Pois Agatha dá pequenas pistas que nos fazem deduzir qual é o assassino, mas ao final, o assassino é aquele que menos suspeitamos.
Nos contos seguintes, Miss Marple e Poirot aparece e soluciona casos muito complicados. Esse foi o primeiro livro que li da Dama do Crime e já fui bastante influenciado pela escrita de Agatha. Sou fascinado por literatura policial, e os nove contos que eu li foram os melhores. Imaginava sempre as cenas dos crimes, como se fosse um filme em minha mente. A dimensão de suas obras é inimaginável. Segundo o Guiness Book, ela é a escritora mais bem sucedida da literatura popular mundial em número total de livros vendidos, uma vez que todas as suas obras reunidas venderam mais de dois bilhões de cópias em todo o mundo, durante o século XX e XXI. Se tratando de número de exemplares vendidos, Agatha só fica atrás de William Shakespeare e da Bíblia Sagrada.


Outro recorde de Agatha Christie é o do livro mais espesso do mundo, medindo mais de 30 cm, com 4032 páginas nas quais estão incluídos todos os 12 romances e 20 contos protagonizados por Miss Marple. The Complete Miss Marple é um dos livros mais raros da escritora. Publicado pela Cedric & Chivers Period Bookbinding, o livro é em sua maior parte de couro, com ouro em algumas partes, e dezesseis páginas feitas à mão. Foram produzidos apenas 500 volumes, e o livro é vendido por 1000 libras. O livro tem também um mapa de St. Mary Mead, a aldeia fictícia onde Miss Marple viveu, elaborado por Nicolette Caven (baseando-se na descrição dada por Agatha em Um Corpo na Biblioteca, e em detalhes adicionais fornecidos por outros romances de Agatha), uma introdução de Kate Mosse, contando como Agatha "descobriu" Miss Marple, e um prefácio de Mathew Prichard, o neto de Agatha, que escreveu:

"Ao longo dos anos, todo mundo me disse que isso nunca poderia ser feito - coletar todas as histórias de minha avó sobre Miss Marple em um único volume. Assim, embora este livro seja, em termos de publicação, um marco, ele também simboliza o carinho que o público, tanto na Grã-Bretanha quanto em outros lugares, tem por Miss Marple. "

Avaliação: 

1A Ratoeira (inglês: The Mousetrap) é uma peça de mistério e assassinato de Agatha Christie, famosa por ser a peça há mais tempo encenada na história do teatro, com mais de 25 mil apresentações desde sua estréia, em Londres, em 1952. The Mousetrap St.Martin's Theatre Ela também é notória por seu final inesperado, que os espectadores ao fim de cada sessão são convidados a não revelar quando saírem dali.

Comentários

  1. Oii Alle.
    Primeira vez aqui no blog, adorei.
    Admiro pessoas que conseguem ler contos. Eu não curto muito não.
    Sabe, quando li o titulo do livro me lembrei de um epsodio da série eu a patroa e as crianças kkkkkkk se vc assistiu vai entender.
    Gostei muito da resenha, e juro que fiquei curiosa com esses mistério, assassinato e tal.
    Nunca li nada da autora, mas quem sabe um dia eu leia né?
    Bjs

    Coleções Literárias

    ResponderExcluir
  2. Olá, eu sou apaixonada por Agatha, ela é a responsável pelo meu gosto literário ser o policial, eu li esse livro há uns 10 anos atrás, isso mesmo faz tempo! na época não gostei muito dele, apesar de gostar muito dos livros dela, aliás ser fascinada, esse é um dos poucos que não me agradam!
    http://vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oie!!! Ainda não li muita coisa na Agatha, na verdade comecei pouquíssimo tempo até agora não li nenhum dos contos só alguns romances. Adorei a resenha e pretendo lê-lo muito em breve ahah ;)
    beijão*...*

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Nunca li nada da Agatha, apesar de já terem me cobrado tanto hahaha
    Adorei a resenha, mas devo confessar que, durante a leitura, eu só conseguia lembrar do Michael Kyle cantando Três Ratos Cegos, na série Eu, a Patroa e as Crianças.

    http://www.breakingfree.blog.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Nunca li nada da Agatha, acredita? É quase um crime, haha!
    Eu nunca tive muita curiosidade de ler nada dela, ainda mais porque eu só vi contos dela até hoje, e não sou muito fã de contos. Mas depois da sua resenha eu vou repensar meus conceitos e vou comprar esse livro o mais rápido possível, porque mesmo não lendo muitos livros do gênero, ainda sim é um gênero que me agrada bastante!

    Abraços
    http://ummundochamadolivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oiiee
    Amo Agatha Christie, já li alguns livros dela e sempre me surpreendo com eles. Aind anão tinha conhecimento dese livro de contos e vou procurar por ele já. Te indico O Caso dos 10 negrinhos ou E não sobrou nenhum, é o mesmo livro com títulos diferentes é o melhor de todos que li até agora.

    Coração Leitor

    ResponderExcluir
  7. Livro adorável, adoro a escrita da autora e esse livro em especial.
    Agatha é adoravelmente a rainha do Policial, ninguém é tão bom no gênero quanto ela. Sempre surpreende.
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Não sabia que a Ratoeira era originado deste livro. E como sempre os assassinatos que a Agatha impõe nos livros, e com os detetives de cabelo em pé. Esses monte de pessoas com segredos sobre o mistério. E claro 80 livros pode durar até... dá um bom tempo de Agatha para tu ler.
    bjus

    ResponderExcluir
  9. Eu não sou muito de ler livros policial, e consequentemente nunca li nada da autora. Porém lendo essa resenha eu fiquei com muita vontade de mergulhar nesta leitura, vou ver se acho este livro para comprar qualquer hora ;)

    xoxo
    http://www.amigadaleitora.com/

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…