Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

O Último Reino | Resenha do Livro


Não conhecia Bernard Cornwell, para minha tristeza e vergonha. Foi em um grupo em uma rede social que o conheci, pois todos falavam muito bem de suas obras e decidi me aventurar em seus romances históricos épicos. Cornwell é considerado o melhor autor em relação à narração de batalhas, e eu concordo. Em O Último Reino, primeiro livro das crônicas saxônicas, a história é narrada pelo olhar de um garoto de nove anos, Uhtred, filho de Uhtred, Rei de Bebbanburg.

Os dinamarqueses, tratados aqui não como vikings, mas como nórdicos ou pagãos, começam a expandir a sua ocupação do território inglês. Uhtred, após acompanhar o seu pai e o pequeno exército até Eoferwic, vê todos serem trucidados pelos pagãos e vê seu pai morrendo. Em um ato de coragem, ele parte para cima de Ragnar, o Intrépido, para matá-lo. Mas, o garoto teve seu golpe frustado e Ragnar ficou rindo da ousadia do garoto, e só por isso ele deixou Uhtred vivo e o adotou como filho. Ao decorrer da história, vemos Uhtred crescendo, ganhando músculos e se afeiçoando ao povo dinamarquês que lhe acolheu. Mas conforme ele vai crescendo, a indecisão também vai. Mesmo amando todo
aquele universo de lutas em que cresceu, Uhtred ainda sabe que é inglês e que deve lutar pela sua terra. O reino de Bebbanburg era seu por direito, mas seu tio acabou tomando o seu lugar no trono e começou a querer matar o jovem. Ele vai crescendo, lutando com os dinamarqueses, mas a ideia de tomar o que é seu por direito não o deixa.



De um lado um exército que tem como deus o Deus cristão, do outro, os nórdicos que tem como deuses Tor e Odin. É sarcástico como Cornwell narra esse assunto de religião, isso vemos por causa de Uhtred, que acha mais interessante morrer e ir pro Valhalla, fornicar e lutar, ao invés de ir para o céu, onde ele diz que é muito sem-graça. Esse romance histórico é muito bem desenvolvido, principalmente pelos detalhes sobre a vida de Alfredo, O Grande, que era um rei acometido por uma doença chamada Crohn, que causa dores abdominais agudas, e de hemorroidas crônicas. Alfredo é o último rei que ainda está de pé na Inglaterra, e vai lutar pelo último reino, Wessex, ser vitorioso e assim não permitir que o território inglês desapareça de vez.
Além das batalhas muito bem narradas, com suas paredes de escudos e o derramamento de sangue, Cornwell traz também os detalhes sobre como o povo daquela época viveu. E são detalhes tão bem explicados, que fica à altura das cenas de batalhas.

É incrível ver como o autor desenvolve a história, que claro, tem um pano de fundo histórico real, mas certos personagens e situações são fictícias, mas que parecem tão reais, que quando terminamos a leitura do livro queremos insanamente dar continuidade e ler as próximas crônicas.

O Destino é tudo. - Uhtred.
Mais Informações:

Título: O Último Reino (#1 Crônicas Saxônicas)
Autor: Bernard Cornwell
Editora: Record
Páginas: 364
Avaliação: 
Sinopse: O Último Reino é o primeiro romance de uma série que contará a história de Alfredo, o Grande, e seus descendentes. Aqui, Cornwell reconstrói a saga do monarca que livrou o território britânico da fúria dos vikings. Pelos olhos do órfão Uthred, que aos 9 anos se tornou escravo dos guerreiros no norte, surge uma história de lealdades divididas, amor relutante e heroísmo desesperado. Nascido na aristocracia da Nortúmbria no século IX, Uthred é capturado e adotado por um dinamarquês. Nas gélidas planícies do norte, ele aprende o modo de vida viking. No entanto, seu destino está indissoluvelmente ligado a Alfred, rei de Wessex, e às lutas entre ingleses e dinamarqueses e entre cristãos e pagãos.

Comentários

  1. Tu já deveria ter lido Cornwell muito antes mesmo. Eu sempre falo pro pessoal apostar nos livros dele, e quem faz isso raramente se arrepende. Tomara que você continue a ler toda a série, tenho certeza que irá gostar.

    Abraços e até mais!!

    http://desbravandolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí Vagner! Pois é cara, mas só vim conhecer o Cornwell lá no grupo, e isso foi muito bom! Eu pretendo ler toda a série sim, e tenho certeza que irei gostar dos outros livros assim como adorei esse primeiro. Abraços!

      Excluir
  2. E aí, Allenylson!!
    Cara, esse foi um dos melhores (se não o melhor) livro de ficção histórica que já li. Cornwell é um baita de um mestre em descrever as tão excitante paredes de escudos!
    Assim como você, eu quero dar continuidade na leitura das Crônicas Saxônicas, e ler o máximo de livros do Cornwell que e conseguir hahaha.
    Confere a resenha que eu fiz lá no Bravura Literária.
    Abraços, e lembre-se: o destino é tudo!

    www.bravuraliterariablog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Phelipe! Acho o Cornwell o melhor autor de romance histórico que eu já tinha lido, o cara é simplesmente genial! Vou dá uma passada lá no seu post, abraços.

      O destino é tudo!

      Excluir
  3. Ignora as letras comidas kkkkkk. Meu teclado não ajudou muito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…