Pular para o conteúdo principal

A alma do mundo, de Roger Scruton

Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.
As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso …

Por que o jornalismo? | Artigos


Olá leitores, hoje eu vou falar um pouco sobre a profissão que quero para minha vida. O jornalismo entrou na minha vida ainda na adolescência, quando assistia aos jornais e via as reportagens do Globo Repórter. Amava e sonhava em sair país afora contando histórias de povos e culturas diferentes. Já no ensino médio, a dúvida da qual profissão e curso eu queria veio forte. Pensava em áreas relacionadas à humanas, porque sempre fui péssimo em exatas. Aí a dúvida era entre gastronomia, publicidade e propaganda, jornalismo, cinema e audiovisual. Dentre essas, fiz faculdade de gastronomia seguindo um conselho da minha antiga professora de matemática. Escolha errada, após dois meses de curso larguei e desisti de tudo, indo para um técnico de cozinha e fazendo o mesmo, abandonei o curso. O jornalismo sempre foi o meu sonho, e essas duas passagens pela faculdade em cursos totalmente opostos me fez ter convicção de que era isso o que eu queria para minha vida.

Ser jornalista não é tão fácil assim, em tempos de incertezas sobre os jornais impressos e uma grande disputa pelo espaço online é uma tarefa difícil. Mas prazerosa. Ainda não faço o curso de jornalismo, mas sempre leio livros, acompanho blogs e sites especializados nessa área e já adquiri conhecimentos que já posso pôr em prática. No momento estou lendo um livro-reportagem do Caco Barcelos, Rota 66, que denuncia com uma narrativa literária crimes cometidos por policiais militares da Ronda Ostensiva Tobias Aguiar, a Rota. Em breve farei uma resenha sobre o livro, mas já desabafo para vocês que o livro é excelente e me faz admirar ainda mais o Caco. Estou com um projeto jornalístico, um blog meu onde divulgo notícias da minha cidade, e faço matérias e reportagens de caráter público e social. Se eu me declaro jornalista? Sim. O diploma de jornalismo não é obrigado para exercer a profissão, mas futuramente pretendo fazer faculdade para obter mais conhecimentos.

Comentários

  1. Gostei. É ótima a sua atitude de não se prender ao diploma para exercer a profissão... mesmo não sendo necessário, muitas pessoas ainda se prendem a isso.
    Boa sorte com a carreira. :)

    ResponderExcluir
  2. Ei, joia? Super me identifico, sou jornalista por paixão, mas tenho trilhado o caminho da produção de conteúdo para empresas, apesar de também prestar serviços para impressos, como revisora e repórter. Uma coisa digo: sempre há uma maneira de fazer o que gostamos, pode levar tempo para descobrir como, mas se formos analisar, conseguimos. Um abraço e boa sorte na profissão :) www.textododia.com.br

    ResponderExcluir
  3. Sou totalmente o oposto de jornalismo, hahah
    Sou engenheira, lido com contas o dia inteiro, e apenas letras no blog mesmo
    Adorei o post
    Super beijo
    Gio - Clube das 6
    www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi tudo bom? Eu ja pensei em fazer jornalismo, gosto muito do curso por gostar de escrever, de investigar, mas o que eu sou apaixonada é por psicologia, que foi minha escolha na faculdade, mas eu admiro muito esse trabalho e super torço para vc ter muito sucesso! bjos

    ResponderExcluir
  5. Oiee, tudo bem? Já pensei em publicidade mas acho que não faria o meu estilo kkkk, jornalismo é uma profissão legal mas tbem não faz o meu estilo. Faço faculdade de Biologia mas sempre quis gastronomia, aqui na minha cidade não tem então escolhi Biologia, apesar de estar sendo muito difícil acho que esta é a área que quero seguir, mas futuramente ainda sonho em fazer um curso de gastronomia (por diversão mesmo) rs, Abraços e Boa Sorte.

    ResponderExcluir
  6. Uma profissão maravilhosa que pode dar assim um leque imenso de possibilidades eu espero que vc esteja mesmo decidido ase engajar e em breve conseguindo ai colocar sua marca no cenário jornalistico.. parabéns bjs

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bom?
    Eu acho gastronomia muito legal mas não para seguir como profissão, eu faço cursinho, pretendo entrar logo na faculdade. Nunca pensei em fazer jornalismo e nem nada do gênero. Espero que você consiga realizar o seu sonho!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Allenylson!
    Eu também queria jornalismo, sabe? Então fui selecionada para a Turma do Fundão da Mundo Estranho e tive uma noção do que faria. Conversei por e-mail com o editor chefe e tudo, e ele me deu umas recomendações bem sinceras que me fizeram mudar de ideia quanto ao que eu queria. Agora curso Direito e estou feliz.
    Mas veja bem, eu tinha uma ideia errada do jornalismo. Achava que era só glamour, escrever o que eu quisesse e fama. Quando descobri a realidade, desisti. Se você, depois de compreender todas as desventuras da carreira jornalística, optou por seguir em frente, é porque esse de fato é o seu futuro. Não desista nunca.
    Com carinho,
    Celly.

    Me Livrando ❤

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

O Menino do Pijama Listrado | Resenha do Livro

24 de Abril

Ano: 2007
Páginas: 192 Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

Esse é aquele tipo de livro que dá pra ler em um dia. A leitura é simples e envolvente.
A historia relata a vida de Bruno, que em um certo dia ao chegar em casa vê a empregada da família arrumando todas as suas coisas em malas, logo percebe que não só ele mas toda a família irão se mudar, ele tenta de todos os modos a convencer a mãe a não fazer isso, já que ele adora a casa em que mora na cidade de Berlin.
A trama se passa na Alemanha em plena segunda guerra mundial, seu pai sendo comandante, teve que se mudar com a família por questões de seu trabalho. A nova casa de Bruno não é nada convidativa, ele não se agrada dela e logo percebe que ali ele não terá vizinhos e nem crianças com quem brincar. O que o deixa decepcionado e com mais vontade de ir embora.
Bruno é um garoto de nove anos, e como qualquer outro de sua idade esbanja ingenuidade, e deseja sempre alguém com quem possa brincar. Ele tem uma irmã de…