Pular para o conteúdo principal

Múltipla Escolha, de Alejandro Zambra

O começo do livro foi bem nada com nada, me senti perdido. Qual o leitor que está acostumado com um livro, que conta diversas histórias sobre os mais variados assuntos, no formato de questões de vestibulares? Por isso o título “Múltipla Escolha”. É um chamado para sair do óbvio e forçar a mente a tirar significado de algo, primeiramente, sem sentido. Algumas páginas adiante já comecei a entrar na ideia do autor e acabei adorando o livro. Frases pequenas, com múltiplas escolhas para substituir os espaços em brancos, faz invocar logo aqueles tempos de escola. Acostumados a obedecer e ter que marcar alguma alternativa, percebermos o quanto fomos treinados e não educados, como o autor enfatiza. Aliás, é um dos assuntos que mais me marcou e proporcionou pensamentos filosóficos sobre o nosso sistema educacional, onde somos treinados a dar uma resposta correta, com medo de que não seja a correta, mesmo que outra alternativa faça mais sentido. 
Por que devemos adivinhar o que o professor/educa…

"Tempos de Guerra", uma leitura frenética | Resenha do Livro


Ao terminar de ler esse livro, só posso afirmar que ele é brilhante! Isso evidencia que a literatura nacional está ganhando a cada dia novos talentos, e talentos brilhantes. O Renato Oliveira prendeu minha atenção e me cativou nas primeiras páginas. Tempos de Guerra é um livro de contos, 20 contos ao total, todos incríveis. Em A Cobrança, um garoto está viajando para sua cidade natal de ônibus. Como todos sabem, nessas viagens existem paradas para ir ao banheiro, comer alguma coisa e etc. Pois bem, esse garoto aproveita essa parada e vai comer alguma coisa. Ele recebe uma comanda ao entrar no restaurante, e faz seu pedido: um sanduíche e um refrigerante. Terminado o lanche, Felipe vai ao balcão pagar a a conta e percebe que perdeu a comanda. O valor da multa para quem perde a comanda é 500 reais, um absurdo. Aí tudo se complica para o garoto. Ao se recusar a pagar esse valor, o segurança do restaurante é chamado e um início de briga está por vir. Felipe foge do segurança, um negro alto e forte, e se esconde no banheiro. Ao se livrar do segurança, outra confusão está por vir. Dois supostos traficantes entram no banheiro com um devedor, e por puro azar, Felipe é descoberto e entra no rolo.
Já em no conto O Vilão, um ator é confundido com a personagem má que interpreta, e sofre nas mãos de uma telespectadora da novela, algo que me fez lembrar de Misery do Stephen King.

Tempos de Guerra retrata a vida sob um outro olhar, com traição, vingança, humor, depressão, e violência são retratadas de forma excepcional por Renato Oliveira. Os ambientes onde todos os contos se passam são em terras tupiniquins, mas o que percebemos é que a qualidade é gringa. Sim, meus caros. Ao ler todo o livro, parecia que estava lendo literatura estrangeira. E venho aqui, no meio da resenha e crítica, implorar para que o Renato Oliveira continue escrevendo. E se possível, escrever romances policiais (amo romance policiais).
O único conto que não gostei, mais pelo clichê do que pela história, foi O Amigo Fiel que traz aquela famosa história de um homem que ao chegar em sua casa percebe que seu cachorro está todo ensaguentado, e que pensa que o amigo de quatro patas matou sua filha e mata o bichinho. Ao chegar no quarto, ver que a sua filha estava intocada e que ao lado do berço estava uma onça-pintada morta. Esse foi o único defeito do livro. Mas, em suma, adorei a escrita do Renato, que me fez ler freneticamente os seus contos e que me deixou com uma vontade enorme de ler outros títulos de sua autoria.

Título: Tempos de Guerra
Editora: Giostri
Páginas: 178
Autor: Renato Oliveira
Nota: ★ (Ótimo)
Sinopse: Com muita imaginação e ironia, Renato Oliveira desenvolve histórias cativantes, nas quais personagens se encontram em situações de humor ou tragédia, seja por obra do destino, seja por escolha própria
Se você aprecia surpresas, à luta, corajoso leitor, e enfrente Tempos de Guerra. Aventura e emoção sem riscos e danos.

Comentários

  1. Adorei a Resenha, fiquei curiosa para ler.
    Um gênero diferenciado,tudo que procuro para minha próxima leitura

    www.alfragadesign.com

    ResponderExcluir
  2. Ola All!Esse seria um livro que eu não daria atenção nenhuma, primeiro que não gostei da capa, segundo que eu detesto livros sobre guerra, então teria passagem de graça.
    mas sua resenha me mostrou o quão errada eu estava e que poderia ter perdido uma excelente leitura. valeu pela dica.
    BEIJOSSsss...

    http://sonhosdeleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Amei a resenha e a capa do livro é linda.
    Gostei muito de saber que o livro é de contos, tenho uma quedinha por este gênero literário rsrs

    Beijos All.
    http://cabinedeleitura1.blogspot.com.br/2015/03/resenha-lua-lobos-e-cerrado_36.html#more

    ResponderExcluir
  4. Oi ,Tudo bem ?
    Estou pasma , estou rosa chiclete .... rs , esse livro tem uma coisa que eu adoro confusão ( Calma ,só nos livros ,gosto disso ,não pense mal de me rs ) .Coitado é muito azar mesmo na vida rsrs . Não conhecia nem o livro e nem o autor , mas ele já subiu no meu conceito de extrema capacidade de me deixar em plena curiosidade e ataques de nervos ao mesmo tempo rsrs . Esse personagem tem muito o que surpreender , adoro essas narrativas ,essa historias , é um gênero que eu leio bastante , por gostar mesmo . Parabéns ,adorei sua resenha esta bem explicada e realizada também .

    http://garotinhaadolescentea.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. hummm pareceu interessante sim os contos, sou muito curiosa por conhecer as coisas e acho que por este motivo leria sim, gostei muito da resenha e das suas colocações ..bjss e parabéns

    ResponderExcluir
  6. Olá Allenylson tudo bem?

    Parece ser um livro mto bom, gosto de livros de contos. Embora concorde que histórias como a do cachorro e da onça não são muito legais, embora tragam a velha essência de: - Procure saber o que fizeram antes de condenar.

    http://meninadeparis.com

    Beijos

    Fique com Deus

    Dayana

    ResponderExcluir
  7. Esse livro parece ser sensacional, quero muito lê-lo. Amei sua resenha :D

    Vanessa | Blog Closet de Livros

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro e confesso que não costumo ler livros de contos, mas esse parece ser interessante, gostei de saber o modo como o livro retrata a vida e sobre o conto O Amigo Fiel, eu já ouvi essa história da minha tia, é bem clichê mesmo. Enfim, gostei bastante de conhecer o livro, espero um dia ter oportunidade de ler o/

    Beijos :*
    Larissa - http://srtabookaholic.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oie,
    Adorei a resenha.
    O livro parece ser muito interessante, é ótimo ler algo nacional e gostar!!

    Beijos,
    Juh
    http://umminutoumlivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Adorei a resenha!!
    Amo guerra e tudo que é relacionado a guerra
    Bjss
    Gio - Clube das 6
    www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi tudo bem?

    Pelo que eu percebi de guerra o livro só tem o nome mesmo, confere? Pelo que você falou o livro parece ser muito bom, ainda não conhecia esse autor, vou procurar mais livros dele.

    abs.

    http://perdidoemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá, Allenylson!
    Parabéns pela resenha!
    Você me deixou com vontade de conhecer as historias retratadas em Tempos de Guerra.
    Fico feliz em saber que a literatura nacional venha ganhando espaço!

    Abraços!
    http://fabi-expressoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Esse livro parece fantástico *-*

    Te segui, poderia seguir de volta? Ah, e tenho layout grátis para blog e faço por encomenda tambem :3 dá uma olhada 

    Leitoras Ocultas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Download gratuito de livros: Crime ou um mal necessário?

Há dias atrás, questionei sobre a prática de downloads de livros de graça na internet. Eu mesmo confesso que sou um desses praticantes, e a reação das pessoas foram das mais diversas. Alguns entediam, e mesmo assim afirmava que era contra tal prática; outros, mais exaltados, diziam que isso era crime, e comparava as pessoas que baixavam e baixam livros pela internet como criminosos de alta periculosidade; outros, que era totalmente a favor de tal prática, explicava sua opinião sobre o assunto e depois era "crucificado" por tal afirmação — a de que baixava livros de graça sim, obrigado.

Os argumentos contrários eram contraditórios, pois afirmavam que tal prática afetava justamente aquele autor iniciante que ralava muito para publicar de forma independente, e quando conseguiam, alguém ia lá e disponibilizava gratuitamente seu ebook para download. Sendo que esse argumento é falho e refutável, pois a "demanda" e a real "necessidade" de baixar livros gratuitame…