Pular para o conteúdo principal

A Pirâmide Vermelha - Rick Riordan | Resenha do Livro


O que eu posso escrever sobre este livro? Eu o considero muito bem escrito, principalmente quando se trata de mitologia. O Rick já e um mestre em escrever ficção juvenil envolvendo mitologia, só é ver o exemplo do grande sucesso de Percy Jackson e os Olimpianos, que é sucesso tanto como livro, tanto como produção cinematográfica.



Eu sempre fui curioso em conhecer mais da mitologia egípcia, sempre achei fantástico essas coisas de Faraó e tudo mais. Mas não pensava que era tão rica, tão cheia de detalhes e simbologias. A Pirâmide Vermelha te faz entrar dentro da mitologia egípcia, que depois que o livro acaba você fica sem entender se aquilo foi real ou não.


Carter Kane e Sadie Kane perderam sua mãe ainda pequenos. Seu pai, Julius Kane, desaparece logo após libertar alguns deuses. A partir daí, os irmãos se juntam para encontrar o pai e ter uma vida normal como era antes. Várias situações perigosíssimas acontecem durante a missão de salvar o mundo do caos, e libertar seu pai das mãos de Set. Imagine você lutando com um crocodilo gigante? Imagine você sendo um hospedeiro de um deus? Pois é isso que acontece com os irmãos Kane, até conseguir salvar o mundo, ou não. Durante a sua jornada, eles vão descobrindo segredos de seus pais e da sua própria família.

Mas eles não estão sozinhos nessa, contam com a ajuda da gata de Sadie, Bastet (uma deusa gata). Ainda tem Khufu, uma babuíno mais inteligente que certas pessoas, e o tio Amós, que some e só depois aparece e os coloca em uma emboscada. Como se salvar o mundo ainda não fosse o suficiente, os adolescentes tem que fugir da Casa da Vida para poder cumprir a missão e derrotar Set, o deus do caos.

Leitura gostosa e de tirar o fôlego, confesso que pegava o livro e depois largava, mas não por ele ser ruim ou cansativo (no caso eu que to andando um pouco preguiçoso). Esse é o primeiro livro das Crônicas de Kane, o segundo é "O Trono de Fogo", e o último é "A Sombra da Serpente".


Comentários

  1. Olá, como vai?
    Eu comecei a ler os Percy Jackson em Inglês, e gostei bastante mesmo. Não li todos ainda mas comprei o box completo.
    Interesso-me por esta outra série também hihi

    http://incriativos.blogspot.com.br/2014/09/to-lighthouse-virginia-woolf.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Italo, vou bem. Eu até agora só li O Ladrão de Raios, não vejo a hora de ler o resto da série. E As Crônicas de Kane são ótimas, a julgar pelo primeiro livro que li. Abraços!

      Excluir
  2. Oii... adorei a resenha!
    Ja li A Pirâmide Vermelha, mas ja faz um bom tempo, preciso reler antes de continuar com a série! =)
    Adoro os livros do Percy jackson, e ainda quero reler todos antes de finalizar com o sangue do Olimpo, louca para ter um tempinho! =S
    Ja estou seguindo e curtindo a fanpage. Se puder visitar o meu blog e curtir, seguir, comentar vou adorar! *-*

    Beijos
    Carolina
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Carol :) Rick Riordan é ótimo, ele tem uma forma de escrever que encanta jovens adultos tanto como as crianças e adolescentes. Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Contra o aborto, de Francisco Razzo

A discussão sobre o aborto é bastante polêmica. Aqueles que são a favor da prática abortiva dão inúmeros argumentos, a princípio técnicos, para convencer o público de que o aborto é, na verdade, importantíssimo para garantir a liberdade das mulheres. Mas o que nem todos sabem é que estes argumentos são apenas retóricos. Os defensores do aborto apelam para o emocional das pessoas para que a verdade não seja esclarecida. Pois quando se trata de um assunto tão complexo como este, a busca pela verdade objetiva é essencial.
Também são retóricos alguns dos argumentos daqueles que são contrários ao aborto. Então o nosso debate público se restringe ao uso da retórica e quem for o mais convincente em seus argumentos, não importa se é verdadeiro ou não, vence. Ou seja, não se trata a questão objetivamente e tendo em vista o que é verdade e o que não é.
A postura defendida pelo filósofo Francisco Razzo em seu livro “Contra o aborto” (Record, 266 pgs, R$39,90) é a filosófica. Para Razzo, os argumen…