Pular para o conteúdo principal

Em águas sombrias, de Paula Hawkins


Em águas sombrias é um Thriller bom. A narrativa se concentra na morte de Nel Abbott, uma mulher ‘encrenqueira’ que estava disposta a contar a história do Poço dos Afogamentos, e sobre as mulheres que foram atraídas pelas águas sombrias do rio. Atraídas e mortas. O tema morte e suicídio ganha ares sobrenaturais, com vozes sendo ouvidas pelas personagens e algo demoníaco envolvendo todas essas mortes. Agora Nel estava morta e deixara para trás muitas dúvidas e nenhuma resposta. Sua irmã Jules se vê de volta a um passado dolorido, e que culpava Nel por tudo o que lhe acontecera. Agora teria que lidar com Lena, pois ela era a sua única família. Lena a princípio insinua que a mãe tinha se suicidado, o que de certa forma ela acredita. Jules, não. Mas a cidade do interior da Inglaterra, Beckeford, é cheia de mistérios e todas as personagens vivem uma vida conturbada, cheia de mistérios a serem revelados.

São três as mulheres que supostamente se renderam ao chamado das águas: Lauren, Katie e Lena. A primeira, mulher de Patrick Townsend e mãe de Sean Townsend. A história que todos conheciam era de que ela traía o marido e que depois de não poder ver mais o amante, se jogara no Poço. Já a segunda, uma adolescente linda e aparentemente normal, havia dado fim à própria vida sem motivo algum. Um mistério, assim como a morte da terceira mulher, Nel. Todas essas mortes teriam algum vínculo? Será que as três se sentiam atraídas pelo rio da mesma maneira? Ou não quiseram se entregar às águas, e foram forçadas? São essas as indagações que permeia os primeiros capítulos, até as pontas começarem a se ligar umas às outras. Cada personagem sabe de alguma informação, ou pensa que sabe, e assim o mistério vai ganhando forma. Assassinatos? Algo sobrenatural? Vingança? Suicídio? As respostas começam a aparecer para o leitor depois da metade do livro, mas aqueles mais atentos já começam a desconfiar de algo, acertadamente, e de alguém bem antes da autora começar a desvendar para os leitores todo o mistério. A resposta final, em certa medida, é confirmada. O leitor sagaz já sabia, até que há uma reviravolta e fim. A história acaba. Um pouco decepcionante como se dá o desfecho, algo totalmente fraco e, diria, entediante.

Temas bastante complexos são abordados por Hawkins, tais como estupro e suicídio. São bastante pertinentes e acho interessante trazer essa discussão, mesmo que sutil, para a narrativa. Mas há um pouco de ideologia, que ao leitor menos atento passa desapercebido, ao abordar tais assuntos. Sempre algo como colocando toda a culpa nos homens, nas repetidas vezes que a palavra sexismo é dita. Deixa aquela impressão de que nenhum homem respeita as mulheres, de que há sempre um clubinho que despreza as mulheres, de que elas são desacreditadas em seu meio profissional apenas por serem mulheres. É claro que isso ocorre, mas as personagens masculinas, todas elas, tem esse traço machista. Não gosto de ver as coisas sob esse ponto de vista, pois tende a ser nós contra eles. Talvez Josh, um garoto de 12 anos, seja o único que ainda não carregue esses traços, pois ele ainda é uma criança. Isto foi algo que me deixou um pouco incomodado, como um homem, pois no universo de Beckford não há uma única figura masculina que não seja caricaturada dessa maneira. Mas é um bom livro - apesar  de um pouco confuso com várias vozes se alternando - para se entreter nas horas ociosas do dia. Como a narrativa segue de uma maneira bem cinematográfica, assim dizendo, não me surpreendeu a informação de que os direitos de adaptação cinematográfica já foram adquiridos pela DreamWorks Pictures.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Roger Scruton defende em “A alma do mundo” a experiência do sagrado frente aos ateísmos contemporâneos

Um dos mais respeitados nomes do conservadorismo britânico, Roger Scruton evita defender a prática ou doutrina de uma fé em especial.  No entanto, em seu novo livro, “A alma do mundo”, o filósofo lança seu olhar sobre uma visão religiosa do mundo, que, a seu ver, não pode ser captada pelas lentes dos materialistas e dos naturalistas.
Longe de apresentar uma defesa da existência de Deus, Scruton argumenta que, independentemente do significado evolucionista que possa ser atribuído à crença religiosa e seu papel na seleção natural, há uma função fundamental que ela representa, referente à manutenção da vida humana:
“As religiões dão foco e ampliam o senso moral; elas cercam aqueles aspectos da vida nas quais as responsabilidades pessoais estão enraizadas, notavelmente, o sexo, a família, o território e a lei. Elas alimentam as emoções distintamente humanas, como esperança e caridade, que nos elevam acima dos motivos que regem a vida dos outros animais e nos levam a viver pela cultura, não …