Pular para o conteúdo principal

A hipótese humana, de Alberto Mussa


Um romance policial de assunto histórico, segundo o próprio escritor. Rio de Janeiro, século XIX. Um crime não solucionado, e um desfecho um pouco óbvio. Em A Hipótese Humana, o quarto livro do compêndio mítico sobre os séculos da história do Rio. De fato, mítico. Não li os três livros anteriores, mas neste o mito está bem presente. Assim como as crenças e rituais místicos daquela época. Domitila, filha do coronel Francisco Eugênio, é encontrada morta em seu quarto. Mas sabemos que Tito Gualberto lá esteve antes do assassinato (?) da sua prima, e amante. O coronel escuta barulhos vindos do quarto provisório da filha, situado no térreo ao lado da biblioteca, e adentra-o tarde demais, pois só vê um vulto além da janela e dispara contra quem quer que seja. O detetive, ou investigador, como você queira chamar, é o próprio Tito, amante da vítima. Suspeita primeiramente do marido de Domitila, Zé Higino. Mas tudo parece muito confuso, e o caso mostra ser bem mais complexo do que se imagina.

O narrador, não se sabe quem, mas que sabe de tudo e conhece a todos, explica ao leitor fatos e curiosidades de um Rio há muito distante. Discorre sobre as diferenças entre os escravos, como, por exemplo, suas religiões, fraternidades e nacionalidades. Conta um pouco sobre a história dos principais locais da trama, além de falar sobre algumas lendas e mitos daquela época. Voltando ao investigador do crime, Tito trabalha para o que o hoje nós chamamos de serviço secreto, mas da Corte – pois em 1854 a monarquia ainda reinava. Era um capoeira, tinha espírito de serpente. Sortudo, mas não tanto. O leitor perceberá certa ironia quando o crime for solucionado e o assassino for, implicitamente, descoberto. Não darei mais detalhes, embora queira muito, pois seria acusado de um crime quase mortal: o do spoiler.

Imaginar uma cidade como o Rio, se bem que podemos imaginar o Brasil, tranquilo e sem essa espantosa violência de hoje é quase impossível. Mas ao ler este romance policial, lemos um retrato de um Brasil onde a violência não massacrava o seu povo, nem roubara a sua liberdade.

A verdadeira onda criminal que engolfava o Rio de Janeiro, os crimes que ocupavam as autoridades do tempo eram aqueles cometidos pelos famigerados capoeiras. Embora provocassem grande pânico, deixando na cidade uma sensação de insegurança, era uma criminalidade essencialmente endógena: capoeiras vitimavam capoeiras, membros de grupos rivais, durante conflitos de rua, do que resultavam alguns feridos e uma ou outra morte ocasional. […] o nível de violência era baixo para uma cidade já tão desenvolvida como a então capital do Império. […] a cada mil prisões efetuadas naquela década, apenas uma envolvia homicídio – e somente seis os casos de assalto à mão armada.


Uma leitura agradável e instigante. O primeiro livro do Alberto Mussa que leio, e que acho muito bom. Uma certa figura polêmica declarou que ele era o único escritor brasileiro vivo. Se eu concordo, não sei. Mas quem sou eu? Apenas um leigo escrevendo sobre minhas experiências literárias. É o que tenho a oferecer, pois ainda tenho muito o que aprender. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Roger Scruton defende em “A alma do mundo” a experiência do sagrado frente aos ateísmos contemporâneos

Um dos mais respeitados nomes do conservadorismo britânico, Roger Scruton evita defender a prática ou doutrina de uma fé em especial.  No entanto, em seu novo livro, “A alma do mundo”, o filósofo lança seu olhar sobre uma visão religiosa do mundo, que, a seu ver, não pode ser captada pelas lentes dos materialistas e dos naturalistas.
Longe de apresentar uma defesa da existência de Deus, Scruton argumenta que, independentemente do significado evolucionista que possa ser atribuído à crença religiosa e seu papel na seleção natural, há uma função fundamental que ela representa, referente à manutenção da vida humana:
“As religiões dão foco e ampliam o senso moral; elas cercam aqueles aspectos da vida nas quais as responsabilidades pessoais estão enraizadas, notavelmente, o sexo, a família, o território e a lei. Elas alimentam as emoções distintamente humanas, como esperança e caridade, que nos elevam acima dos motivos que regem a vida dos outros animais e nos levam a viver pela cultura, não …