Pular para o conteúdo principal

Belas Maldições, de Terry Pratchett e Neil Gaiman

O fim do mundo está próximo, mas não tão próximo assim. Quero dizer, não em Belas Maldições, livro de Neil Gaiman e Terry Pratchett. Um anjo e um demônio, Aziraphale e Crowley, apesar de tudo o que sabemos sobre anjos e demônios, são muito próximos e até diria que amigos, mas claro que disfarçadamente para poder não pegar mal com o Céu e o Inferno. Após trocar o bebê que seria o Anticristo e acabaria com este mundo, muitas atrapalhadas acontecem e o fim do mundo corre o grande risco de não ser mais o fim do mundo. Ainda temos um livro de uma bruxa que profetizou sobre tudo o que aconteceria antes do fim do mundo, o As Justas Profecias de Agnes Nutter, Bruxa. Nesta história o leitor irá encontrar anjos, demônios, ETs, caçadores de bruxas, crianças que brincam de Inquisidores, os quatro cavaleiros do Apocalipse, uma bruxa e um cão infernal que está mais preocupado em caçar ratos e gatos do que em ser um cão infernal. Tudo isto se encaixa e faz de Belas Maldições uma história divertida e…

"Bartleby, o escrivão", de Herman Melville

Ao ler “Bartleby, o escrivão”, o leitor fica curioso em saber mais do personagem tão excêntrico. A história é narrada por um advogado, dono de um escritório, que começa a explicar como conheceu Bartleby. Primeiro apresenta seus funcionários e suas manias peculiares, pois Nippers pela parte da manhã tem um temperamento efusivo, mas a tarde fica gentil; e Turkey agia de modo semelhante, mas ao contrário: pela manhã era cortês e gentil, e à tarde era, como o próprio narrador o descreve, insolente. Mas o que o levaria a continuar empregando esses homens tão estranhos? Podemos julgar o caráter dele pelo modo que trata Bartleby. É um homem paciente, e que gosta de ver o lado positivo e lucrativo das coisas. O terceiro empregado é um menino, aparentemente normal. Mas quando conhece Bartleby, a história beira o absurdo. Não sabemos o seu nome, só que era advoga e idoso quando começou a contar quem era Bartleby.

Preferia não fazê-lo” é uma frase que será repetida várias vezes, e que fará parte do vocabulário dos homens daquele escritório. Um homem calado, quieto, que cumpria o seu ofício diligentemente, mas apático obstinado: esse era Bartleby. Ao receber ordens do seu empregador, Bartleby simplesmente dizia: prefiro não fazê-lo. Quando recebeu essa resposta desconcertante pela primeira vez, o advogado fica nervoso e sem saber o que fazer. Como assim preferia não fazê-lo? Ao ser indagado por ter uma atitude tão fora do comum, ele permanece calado. Mas Bartleby não dizia isso para embaraçar ou ver o seu chefe numa saia justa. Simplesmente preferia não fazê-lo, essa era a sua resolução. Que homem teria coragem de agir assim com o seu patrão? Ele era uma figura que não causava qualquer tipo de repulsa, mas sim um sentimento de compaixão. Quem seria aquele homem, que pouco comia, mal saía do escritório – quase nunca saía –, e que cumpria o seu trabalho de forma tão exemplar? Como um homem desses poderia ser, ao mesmo tempo, tão obstinado a não preferir fazer algo que o homem que pagava o seu salário lhe pedia para fazer – algo que ele, na posição de empregado, deveria fazer?

Não temos respostas para essas perguntas, mas toda a situação fica ainda mais absurda quando Bartleby se recusa a sair do escritório. Ao ser mandado embora, diz que não prefere ir embora. O advogado chega a perder a cabeça, mas logo se recompõe – pois o que sente por aquela criatura, tão sozinha e apática, era que deveria amá-lo apesar da sua aparente loucura. Como o narrador mesmo diz, se não se lembrasse do mandamento de que devemos amar ao próximo como a nós mesmos, teria cometido um assassinato. E essa é a melhor frase do livro:

A caridade muitas vezes funciona como um princípio sábio e prudente, constituindo uma poderosa salvaguarda para o seu possuidor. Os homens já cometeram assassinatos por ciúme, raiva, ódio, egoísmo e orgulho espiritual; mas jamais ouvi falar de homem que tenha cometido assassinato por caridade. (pp. 67-68)


A narrativa de Melville deixa abertura para muitas interpretações, das quais nunca chegaremos à correta. O leitor fica aturdido com tamanho absurdo, mas ao mesmo tempo pode ter compaixão e achar algo semelhante à misericórdia. O que faríamos se contratássemos um Bartleby? Teríamos a mesma paciência e bondade do narrador? Quem seria Bartleby? Qual a sua história, e o porque ele agiu do jeito que agiu? São perguntas que ficarão sem respostas, pois é isso que uma grande obra – mesmo que curta – faz. Deixar o leitor procurar as respostas que nunca encontrarão, despertando a imaginação de cada um. (Com prefácio de Jorge Luis Borges, maravilhoso).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

Download gratuito de livros: Crime ou um mal necessário?

Há dias atrás, questionei sobre a prática de downloads de livros de graça na internet. Eu mesmo confesso que sou um desses praticantes, e a reação das pessoas foram das mais diversas. Alguns entediam, e mesmo assim afirmava que era contra tal prática; outros, mais exaltados, diziam que isso era crime, e comparava as pessoas que baixavam e baixam livros pela internet como criminosos de alta periculosidade; outros, que era totalmente a favor de tal prática, explicava sua opinião sobre o assunto e depois era "crucificado" por tal afirmação — a de que baixava livros de graça sim, obrigado.

Os argumentos contrários eram contraditórios, pois afirmavam que tal prática afetava justamente aquele autor iniciante que ralava muito para publicar de forma independente, e quando conseguiam, alguém ia lá e disponibilizava gratuitamente seu ebook para download. Sendo que esse argumento é falho e refutável, pois a "demanda" e a real "necessidade" de baixar livros gratuitame…