Pular para o conteúdo principal

Quatro estações, de Stephen King


As quatro longas histórias reunidas nesse livro são quatro contos ‘comuns’, mas escritos pelo mestre do terror Stephen King. Não, elas não são de terror – embora haja esse elemento em algumas delas. Rotulado como escritor de terror, essas histórias são para provar que ele pode escrever histórias comuns, sem recorrer ao sobrenatural. Quatro estações é divido em quatro contos, um para cada estação. Em Primavera Eterna: Rita Hayworth e a Redenção de Shawshank, King escreve sobre uma fuga inesperada, para não dizer impossível, de um presídio americano no estado do Maine. Descrevendo sobre a vida dura e difícil daqueles homens que estão sem esperanças e sem liberdade, o autor consegue fazer o leitor ter empatia pelo Red, o narrador dessa história, e claro, torcer para Andy Dufresne, que foi acusado de ter matado a esposa e o amante. Andy diz que é inocente e mantém a esperança de que ganhará sua liberdade novamente, pois ainda acredita na Justiça. Os dois acabam desenvolvendo uma amizade que transcenderá os muros cinzentos de Shawshank. O segundo conto, Verão da Corrupção: Aluno Inteligente é sobre um garoto que acaba se relacionando com um velho nazista. O que começa como uma curiosidade passa a ser uma espécie de obsessão. O velho não se arrepende do seu passado, e o garoto se corrompe ao passar tanto tempo ao lado do nazista, mesmo sem perceber. Uma espécie de amizade não consentida é mantida pelos dois, que têm naturezas quase idênticas, inclinadas para o mal. Outono da Inocência: O Corpo é o melhor conto do livro. A história é sobre quatro meninos que vivem em Castle Rock, que saem em busca do corpo de um garoto que morreu e está desaparecido. Gordie, Chris, Teddy e Vern são personagens eternizados nas telas do cinema, e ao ler sobre a aventura de suas vidas, o leitor sente aquela nostalgia ao se lembrar de sua própria infância. O último conto, Inverno no Clube: O Método Respiratório é o mais assustador de todos, mas não o melhor. O clube misterioso é um local onde velhos se reúnem para ler livros, tomar uma bebida, jogar conversa fora, e principalmente, contar histórias em frente a uma lareira, em poltronas confortáveis. Na véspera do Natal, um ‘membro’ do clube conta a história do método respiratório, que tem um corpo sem a cabeça ainda respirando por minutos. Sem falar no clube, que não sabemos ao certo se existe ou não.
Dos quatro contos, três foram adaptados para o cinema. A escrita do King é fácil, flui bem e conquista o leitor. Abordando temas pessoais, tal como a esperança em um mundo onde todos já não a têm, e a amizade, onde se é praticamente impossível ter algo próximo disso, Stephen King me surpreendeu e até me fez ficar um pouco emocionado. Refiro-me ao final do primeiro conto, você terá que ler para descobri por si mesmo. Amizade, lealdade, inocência e amadurecimento são temas abordados no conto O Corpo, o melhor do livro. Mesmo adultos, nos identificamos com um daqueles quatro garotos, e com muita tristeza concordamos com Gordie que nunca mais tivemos amigos como os que tínhamos aos 12 anos de idade. E o afastamento daqueles que um dia foram tão próximos é uma realidade da qual não podemos fugir. O perigo de sermos tentados, por curiosidade, a saber de coisas terríveis e acabarmos sendo contaminados pelo mal, lembra-nos que não somos perfeitos e que o mal está dentro de cada um de nós, mas o que decidimos fazer com isso é o que definirá o nosso caráter.
Nunca mais tivemos amigos como os que
tínhamos aos 11 anos de idade. Mas quem tem?

Quatro Estações não é o livro mais conhecido do autor,  pois se trata de um livro de histórias ordinárias, mas que se tornam extraordinárias através do Stephen King. Mas assim como a frase gravada no console da lareira no último conto, o importante é a história, e não o narrador.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Roger Scruton defende em “A alma do mundo” a experiência do sagrado frente aos ateísmos contemporâneos

Um dos mais respeitados nomes do conservadorismo britânico, Roger Scruton evita defender a prática ou doutrina de uma fé em especial.  No entanto, em seu novo livro, “A alma do mundo”, o filósofo lança seu olhar sobre uma visão religiosa do mundo, que, a seu ver, não pode ser captada pelas lentes dos materialistas e dos naturalistas.
Longe de apresentar uma defesa da existência de Deus, Scruton argumenta que, independentemente do significado evolucionista que possa ser atribuído à crença religiosa e seu papel na seleção natural, há uma função fundamental que ela representa, referente à manutenção da vida humana:
“As religiões dão foco e ampliam o senso moral; elas cercam aqueles aspectos da vida nas quais as responsabilidades pessoais estão enraizadas, notavelmente, o sexo, a família, o território e a lei. Elas alimentam as emoções distintamente humanas, como esperança e caridade, que nos elevam acima dos motivos que regem a vida dos outros animais e nos levam a viver pela cultura, não …