Pular para o conteúdo principal

O lobo das planícies, de Conn Iggulden


O primeiro livro da série O Conquistador narra a juventude de Gengis Khan e a sua difícil jornada que o tornaria temido por todos. Após ser levado para a tribo da sua mãe pelo seu pai, Yesugei, Temujin descobre que a vida não lhe deixará sossegado. Viver durante um ano longe da tribo dos lobos e longe da sua família lhe trará muita humilhação e raiva. A garota que fora escolhida para ser a sua mulher é de uma família sem prestígios, e o velho Sholoi, pai de Borte – sua futura esposa – não o deixa em paz. Temujin atura tudo pensando em orgulhar o seu pai, mas não tira da mente o pensamento de fugir. A princípio, não vê nada na garota que lhe foi prometida. Mas depois de alguns acontecimentos, passa a desejá-la e convida Borte para fugir com ele. É quando a notícia de que Yesugei havia morrido chega. Temujin volta à tribo dos lobos, mas percebe que algo mudou. A traição era latente e Eeluk, homem de confiança do seu pai, reivindica ser cã dos lobos e trai a família daquele que tanto lhe ajudou. Deixados para trás, entregues à morte, Temujin e a mãe, com cinco irmãos, sendo uma ainda bebê, agora têm que lutar para sobreviver ao frio do norte da Mongolia. A jornada está apenas começando, e os sofrimentos também. Hoelun é uma mulher forte e fará de tudo para que os filhos não morram e se vinguem de Eeluk, mas a traição de um dos irmãos é castigada com a morte. Temujin logo se mostra implacável, e as características de um líder que comandaria muitos guerreiros começam a aparecer. Afinal, o pai céu o protege.

A coragem não pode ser deixada como ossos num saco. Deve ser tirada para fora e mostrada à luz repetidamente, ficando mais forte a cada vez. Se você acha que ela vai se manter para quando for necessária, está errado. Se você ignorá-la, o saco estará vazio quando você mais precisar.


Anos após serem deixados para morrer, Eeluk manda dois homens para saber se eles sobreviveram depois de tanto tempo. Com muita resistência, e vencido pelo cansaço e fome, Temujin é levado para o cã dos lobos, onde a morte o espera. O jovem mongol, que seria cã dos lobos se não fosse pela traição do homem de confiança de seu pai, é jogado em um buraco depois de ser arrastado por um cavalo, para a diversão de Eeluk. Ele descobre, para a sua tristeza, que a traição vem de onde menos se espera. As famílias que o vira nascer e respeitavam-lhes, agora riam e se calavam diante de tamanha crueldade. Mas há três pessoas do lado de Temujin, Arslan e Jelme – que fizeram juramento a Yesugei – e Basan, um dos lobos que mostrou misericórdia uma vez. Com a ajuda desses homens, ele retorna para a sua família e começa a reunir desgarrados para a sua tribo e tem a visão de juntar todas as tribos espalhadas sob o seu comando e ser um só povo. Seu nome começa a ser conhecido pelas planícies, pois os ataques constantes aos tártaros se espalharam e a sua fama começa a ser reconhecida, e alguns o temem. E ele não descansará até vingar a morte do seu pai, que foi morto pelos tártaros, e matar Eeluk. É apenas o começo de uma história bastante conhecida, pois o livro retrata a verdadeira jornada de Gêngis Khan, e o primeiro livro foca no nascimento e juventude daquele que seria uma personagem da História bastante admirada.

Eu mostrei que uma tribo pode vir dos quirai, dos lobos, dos woyela, dos naimanes. Somos um povo, Arslan. Quando tivermos força suficiente, eu farei com que eles venham a mim, ou vou derrubá-los um a um. Somos mongóis, Arslan. Somos o povo de prata, e um cã pode liderar todos nós.

A narrativa flui bem e a escrita é muito prazerosa, Conn Iggulden deixa o leitor mergulhado nessa incrível história e o faz se esquecer do mundo real. As cenas das guerras que são detalhadas no livro ganha vida, sons e cheiro e nos vemos transportados para o campo de batalha. Temujin é um personagem vivo, corajoso, inteligente, e ganha a nossa admiração e respeito ao virar das páginas. Sua visão estratégica é brilhante, e a sua autoridade como líder é digna de admiração. Ele faz com que até os inimigos o respeitem e o que parecia ser impossível – como conquistar alguns povos para lutar contra mais de mil tártaros que se aproximam – ele faz acontecer, com muita determinação disciplina. A história de Gêngis Khan em forma de romance é esplendorosa, e só escrevi sobre o primeiro livro. Ao todo, a série O Conquistador têm cinco livros que, acredito, será todos empolgantes e prazerosos, além de trazer informações verídicas sobre um homem que abalou o mundo.

Somos o povo de prata, os mongóis. Quando perguntarem, diga que não existem tribos. Diga que sou cã do mar de capim, e eles me conhecerão por esse nome, Gêngis. É, diga isso. Diga que sou Gêngis e vou cavalgar.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Roger Scruton defende em “A alma do mundo” a experiência do sagrado frente aos ateísmos contemporâneos

Um dos mais respeitados nomes do conservadorismo britânico, Roger Scruton evita defender a prática ou doutrina de uma fé em especial.  No entanto, em seu novo livro, “A alma do mundo”, o filósofo lança seu olhar sobre uma visão religiosa do mundo, que, a seu ver, não pode ser captada pelas lentes dos materialistas e dos naturalistas.
Longe de apresentar uma defesa da existência de Deus, Scruton argumenta que, independentemente do significado evolucionista que possa ser atribuído à crença religiosa e seu papel na seleção natural, há uma função fundamental que ela representa, referente à manutenção da vida humana:
“As religiões dão foco e ampliam o senso moral; elas cercam aqueles aspectos da vida nas quais as responsabilidades pessoais estão enraizadas, notavelmente, o sexo, a família, o território e a lei. Elas alimentam as emoções distintamente humanas, como esperança e caridade, que nos elevam acima dos motivos que regem a vida dos outros animais e nos levam a viver pela cultura, não …