Pular para o conteúdo principal

Livro revela os segredos de um dos principais intelectuais do nazismo e relata a saga para encontrar seu diário, que ficou desaparecido por mais de seis décadas


Descoberto após o fim da Segunda Guerra, o diário de Alfred Rosenberg havia sumido misteriosamente depois dos julgamentos de Nuremberg


Em abril de 1945, semanas antes de a Segunda Guerra Mundial chegar oficialmente ao fim, soldados americanos entraram no Schloss Banz, um dos palácios alemães responsáveis por abrigar objetos saqueados e documentos, que começavam então a ser resgatados pelos Aliados.  Lá, encontraram o diário pessoal de Alfred Rosenberg, figura do círculo íntimo de Hitler e um dos principais teóricos do nazismo.  Após os julgamentos do Tribunal de Nuremberg, o caderno desapareceu e foi localizado somente em 2013.

Em “O diário do diabo”, o repórter David Kinney e o fundador da equipe de crimes contra a arte do FBI, Robert Wittman, relatam a busca pelo objeto, descortinando a rede de contatos que levaria ao paradeiro do diário. Uma das figuras centrais na história é o advogado alemão Robert Kempner, que no início da década de 30 tentou deter o avanço do nazismo, mas, por ser judeu, acabou fugindo para a Itália, para a França e, por fim, para os Estados Unidos. Com o fim da guerra, Kempner voltou para sua terra natal para trabalhar no Tribunal de Nuremberg e foi responsável pelo julgamento de vários homens que o haviam perseguido. O curioso é que ele tinha o hábito de levar documentos oficiais para casa e tinha ambições editoriais com eles.

Esclarecido o mistério sobre o sumiço do diário, os autores narram a trajetória de Alfred Rosenberg desde sua saída da Estônia para a Alemanha, até a construção das bases ideológicas para o projeto de extermínio dos judeus, definido pelo nazista como “solução final”. Rosenberg é autor do livro “O mito do século XX”, que vendeu mais de um milhão de exemplares na época de seu lançamento e foi considerada, junto com“Minha luta”, de Hitler, obra fundamental do nazismo.

Apesar de ter sido um dos principais intelectuais da doutrina nazista, a reputação de Rosenberg era controversa mesmo entre os próprios colegas de partido. Desprezado pelo ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels, ele era considerado muito confuso por outros nazistas. Alguns afirmavam que ele tinha apenas uma boa memória, juntava uma impressionante quantidade de fatos isolados, mas sem conseguir integrá-los e desenvolver uma visão própria sobre os mesmos.

A dúvida, afinal, era se a proximidade entre Rosenberg e Hitler não fazia parte justamente de uma estratégia do füher, pela interpretação de que o incompreensível e o estapafúrdio provocam maior impacto nas massas: “Talvez Hitler não enxergasse isso. Ou talvez sim, e talvez percebesse, espertamente, que ele era justamente o tipo de sábio ideológico de que necessitava para o seu movimento”, escrevem os autores no livro.

O diário do diabo” chega às livrarias no fim de março pela Editora Record

David Kinney escreve para inúmeras publicações, inclusive o New York Times, e já ganhou o Pulitzer.

Robert K. Wittman fundou a Equipe de Crimes contra a Arte do FBI e foi expert da agência para crimes de propriedades culturais. É autor do best-seller “Infiltrado: a história real de um agente do FBI à caça de obras de arte roubadas” e presidente da Robert Wittman Inc., especializada em proteção e recuperação de obras de arte.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Roger Scruton defende em “A alma do mundo” a experiência do sagrado frente aos ateísmos contemporâneos

Um dos mais respeitados nomes do conservadorismo britânico, Roger Scruton evita defender a prática ou doutrina de uma fé em especial.  No entanto, em seu novo livro, “A alma do mundo”, o filósofo lança seu olhar sobre uma visão religiosa do mundo, que, a seu ver, não pode ser captada pelas lentes dos materialistas e dos naturalistas.
Longe de apresentar uma defesa da existência de Deus, Scruton argumenta que, independentemente do significado evolucionista que possa ser atribuído à crença religiosa e seu papel na seleção natural, há uma função fundamental que ela representa, referente à manutenção da vida humana:
“As religiões dão foco e ampliam o senso moral; elas cercam aqueles aspectos da vida nas quais as responsabilidades pessoais estão enraizadas, notavelmente, o sexo, a família, o território e a lei. Elas alimentam as emoções distintamente humanas, como esperança e caridade, que nos elevam acima dos motivos que regem a vida dos outros animais e nos levam a viver pela cultura, não …