Pular para o conteúdo principal

Múltipla Escolha, de Alejandro Zambra

O começo do livro foi bem nada com nada, me senti perdido. Qual o leitor que está acostumado com um livro, que conta diversas histórias sobre os mais variados assuntos, no formato de questões de vestibulares? Por isso o título “Múltipla Escolha”. É um chamado para sair do óbvio e forçar a mente a tirar significado de algo, primeiramente, sem sentido. Algumas páginas adiante já comecei a entrar na ideia do autor e acabei adorando o livro. Frases pequenas, com múltiplas escolhas para substituir os espaços em brancos, faz invocar logo aqueles tempos de escola. Acostumados a obedecer e ter que marcar alguma alternativa, percebermos o quanto fomos treinados e não educados, como o autor enfatiza. Aliás, é um dos assuntos que mais me marcou e proporcionou pensamentos filosóficos sobre o nosso sistema educacional, onde somos treinados a dar uma resposta correta, com medo de que não seja a correta, mesmo que outra alternativa faça mais sentido. 
Por que devemos adivinhar o que o professor/educa…

A definição do amor, de Jorge Reis-Sá


Tentar definir o amor é uma tarefa difícil, mais ainda se você vive no século XXI onde tudo o que possa imaginar é amor. Mas Jorge Reis-Sá tenta defini-lo em seu A definição do amor, publicado pela Tordesilhas. Francisco perde a mulher, mas que ainda permanece viva para conservar a vida de sua filha. A Matilde, ao contrário da mãe, precisa viver e precisa do corpo da mãe que é mantida viva por aparelhos. Francisco sabe que a sua amada está morta, e daí segue curtos capítulos de um amor mórbido, uma visão de mundo niilista, onde nada mais tem sentido o principal objetivo é a morte. Até a morte da inocente Matilde, que não tem culpa pelo acidente que tirou a vida da mãe. Ele tem um filho de poucos anos de idade, o qual passa a viver com a mãe, já que o seu mundo agora desabou e só é morte. Pensa em morrer também, mas quem cuidaria dos filhos? Pensa que deveria ter sido ele, a estar naquela máquina fria e cheia de aparelhos. Mas se fosse ele, será que Susana viveria o luto tão intensamente como ele está vivendo? É nos contada quatro histórias paralelas, sobre o amor que quatro pessoas sentiam e que as levaram a cometer o indizível. Aborto, assassinato, pedofilia e incesto. Para elas, essas eram definições do amor.

O romance foi mantido na língua original, o português de Portugal, o que pode atrapalhar um pouco a leitura. Não há muita dificuldade com os diálogos, só que algumas palavras e frases não fazem tanto sentido para os leitores brasileiros que, se forem mais curiosos, podem pesquisar o significado de cada palavra diferente. Os capítulos são curtos, e por isso o ritmo da leitura flui bem. A profundidade das reflexões que o narrador-personagem faz é surpreendente, o que poderia muito bem ser uma definição da vida e da morte, já que os pensamentos de Francisco giram em torno disso. Viver ou morrer? Por que sofremos? O que acontece quando morrermos? Por que Deus permite tais coisas? Há algum sentido na vida? As respostas do personagem, o único em evidência do começo ao fim da leitura, tirando as personagens das histórias paralelas – que de alguma maneira estão ligadas ao personagem – são sempre céticas.

Um bom livro, que faz o leitor parar para refletir sobre a vida e a morte, o que acaba nos aproximando desse tema tão assustador. Teve apenas um capítulo que achei um pouco desnecessário, não por puritanismo ou qualquer coisa do tipo, mas por quebrar a intensidade e a investigação da personagem principal sobre os dilemas da vida. Você está lendo parágrafos profundos, inquietantes, daqui a pouco vem um capítulo bastante pornográfico, com uma linguagem crua e forte, que acabou me decepcionando um pouco. Mas compreendo o autor, só achei desnecessário. O fim é um tanto trágico, mas sem muita relevância. Sabemos do que aconteceu, para onde o Francisco foi e fim, eis a definição do amor, que para mim não definiu nada, a não ser algo totalmente vago.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Download gratuito de livros: Crime ou um mal necessário?

Há dias atrás, questionei sobre a prática de downloads de livros de graça na internet. Eu mesmo confesso que sou um desses praticantes, e a reação das pessoas foram das mais diversas. Alguns entediam, e mesmo assim afirmava que era contra tal prática; outros, mais exaltados, diziam que isso era crime, e comparava as pessoas que baixavam e baixam livros pela internet como criminosos de alta periculosidade; outros, que era totalmente a favor de tal prática, explicava sua opinião sobre o assunto e depois era "crucificado" por tal afirmação — a de que baixava livros de graça sim, obrigado.

Os argumentos contrários eram contraditórios, pois afirmavam que tal prática afetava justamente aquele autor iniciante que ralava muito para publicar de forma independente, e quando conseguiam, alguém ia lá e disponibilizava gratuitamente seu ebook para download. Sendo que esse argumento é falho e refutável, pois a "demanda" e a real "necessidade" de baixar livros gratuitame…