Pular para o conteúdo principal

A alma do mundo, de Roger Scruton

Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.
As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso …

Um romance autobiográfico sobre a morte de uma figura paterna

Muitos veem a morte como um tabu. As histórias não mais abordam esse tema, seja por medo ou por não criar interesse no leitor. É um tema pesado, sombrio, complexo e inevitável. A morte vem para todos, não há como escapar. E Karl Ove Knausgård não teve medo e escreveu um livro sobre a morte do seu pai. O primeiro da série Minha Luta, que despertou grande interesse em leitores de todo o mundo, é profundo, inquietante e prazeroso. Não sei se posso defini-lo como autobiográfico, mas Karl Ove relembra de um episódio que o levou a escrever esse primeiro volume. Quando criança, uma notícia de que um navio havia naufragado despertou o interesse do jovem Karl Ove. Ao olhar para a televisão, viu a figura de um rosto formado pelo mar. Foi tão marcante que ele, com certo medo, conta ao pai o que tinha visto e fica pensando sobre isso durante dias – pensando também em como provar de que ele realmente vira um rosto. A relação de pai e filho não é das melhores. O pai é distante e causa medo nos dois filhos, e esse distanciamento só aumenta conforme o pequeno Karl vai crescendo. A narrativa é impressionante, fisga o leitor e não o larga mais. Mergulhamos na época de 70/80 na Noruega e nos identificamos com aquele adolescente que estava descobrindo a vida, e suas complexidades.

O tema principal é a morte, e o autor nos leva a uma profunda reflexão sobre como encará-la. Sabemos que o pai morreu, pois está explícito no título. Não há um enredo cheio de plots, a história é narrada ao ritmo de quem está se lembrando do seu passado. Há quem não goste de leituras assim, mas é uma boa pedida para aqueles que gostam de uma boa narrativa dramática e existencial. Fiquei encantado ao ler A Morte do Pai, pois esperava algo difícil de compreender. Há aqueles livros que são aclamados por todos, mas quase ninguém entende o que o autor quis dizer. Isso não acontece aqui, muito pelo contrário. A leitura é prazerosa até nos momentos nojentos, como quando lemos o que Karl encontrou na casa da avó após seu pai morrer. É de fechar o livro e querer vomitar.

A morte tem certo mistério, encanto. Acredito que não tocar nesse assunto, nos romances contemporâneos, seja o resultado de uma morte da literatura como objeto para entender e encarar a vida. Tantos ‘tabus’ são quebrados, mas ninguém é forte ou progressista o suficiente para falar sobre a morte que nos circunda diariamente. Há trechos memoráveis sobre como a sociedade encara aquela-que-não-deve-ser-nomeada. E é por essa escrita sem eufemismos, crua mesmo, que Karl Ove me encantou. O livro por si já é polêmico, pois o autor envolveu toda a sua família em uma história que ganhou a atenção do mundo. Quem gostaria de ter sua vida exposta em um livro? Comprou uma briga com a própria família, e metade dela cortou relações com ele. O livro aborda vários temas, como solidão, amizade, descoberta sexual, o cenário musical daquela época (sim, podemos ler ouvindo algumas das músicas que são destacadas no livro), reflexões sobre a escrita, mas o mais forte continua sendo a morte e a sua relação difícil com o pai.
“Uma cidade que não mantenha seus mortos longe dos olhos, que os deixe jazer nas ruas e calçadas, parques e estacionamentos, não é uma cidade, e sim um inferno. Não importa que esse inferno reflita de modo mais realista e profundo nossa conduta. Sabemos que ela é assim, mas nos recusamos a encará-la. Eis o ato coletivo de repressão simbolizado no ocultamento dos nossos mortos.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

O Menino do Pijama Listrado | Resenha do Livro

24 de Abril

Ano: 2007
Páginas: 192 Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

Esse é aquele tipo de livro que dá pra ler em um dia. A leitura é simples e envolvente.
A historia relata a vida de Bruno, que em um certo dia ao chegar em casa vê a empregada da família arrumando todas as suas coisas em malas, logo percebe que não só ele mas toda a família irão se mudar, ele tenta de todos os modos a convencer a mãe a não fazer isso, já que ele adora a casa em que mora na cidade de Berlin.
A trama se passa na Alemanha em plena segunda guerra mundial, seu pai sendo comandante, teve que se mudar com a família por questões de seu trabalho. A nova casa de Bruno não é nada convidativa, ele não se agrada dela e logo percebe que ali ele não terá vizinhos e nem crianças com quem brincar. O que o deixa decepcionado e com mais vontade de ir embora.
Bruno é um garoto de nove anos, e como qualquer outro de sua idade esbanja ingenuidade, e deseja sempre alguém com quem possa brincar. Ele tem uma irmã de…