Pular para o conteúdo principal

A alma do mundo, de Roger Scruton

Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.
As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso …

O poderoso chefão


Muitos conhecem O Poderoso Chefão das telonas, mas talvez nunca leram o livro que deu origem ao clássico da sétima arte. O livro de Mario Puzo também é um clássico da literatura e se tornou rapidamente um best-seller. Escrito com a urgência de um pai que tinha que ganhar dinheiro para criar os cinco filhos, pois os seus lançamentos não lhe rendiam muito, apesar de serem bem recebidos pela crítica, O Poderoso Chefão teve os direitos de adaptação para o cinema vendidos para a Paramount dois anos antes de ser lançado, o que evidenciava que a obra já era um sucesso instantâneo. Quando foi lançado, em 1969, o livro permaneceu mais de um ano na lista dos mais vendidos. Virou uma obra prima nas mãos de Coppola. Publicado pela Record, o clássico ganhou nova capa em 2016.

Contando a história, fictícia, de Don Corleone, ou o Padrinho, o autor escreveu tão detalhadamente e com muita verossimilhança que os chefes das máfias em Nova York ficaram suspeitando de que o autor recebera informações de algum membro das Famílias. Puzo era jornalista e pesquisou muito para poder dar vida aos personagens marcantes, idiossincráticos e cruelmente inteligentes. O Don nascera em uma pequena vila na Itália, mas fugiu para a América após a morte do pai. Tentara levar uma vida comum, obedecendo as leis, acatando o seu destino. Mas como aprendemos com o Don, o destino de um homem está traçado há muito. E o seu destino não era ser qualquer um. Entrou para a vida ilícita após sofrer algumas injustiças e após assassinar um homem que era bastante temido. Assim, Vito Corleone tornou-se uma figura muito respeitada nas imediações da 9 Avenue. Um homem inteligente, prudente e frio quando o assunto era matar alguém. Nunca cometia alguma injustiça, isso ele não fazia. Corleone era o Padrinho, como lhe chamavam carinhosamente aqueles que iam ao seu encontro pedir algum favor. Mas eles também sabiam que, quando pediam algum favor, teria que ser retribuído com grande satisfação. O Padrinho não exigia nada para resolver o problema de alguém, a não ser que essa pessoa lhe desse a sua amizade como forma de gratidão. Era só isso que desejava e era isso o que recebia.

Don Corleone entrou para o negócio de Azeites e rapidamente ganhou poder nas ruas de Nova York. Não irei explicar como foi o processo, pois estaria lhe fazendo um desfavor. Compre o livro e se impressione, assim como me impressionei. Seus filhos, Freddie, Sonny, Michael e Connie eram o seu tesouro. Sua mulher, o amor da sua vida. A primeira parte apresenta alguns personagens e seus problemas, todos eles recorrendo ao Padrinho e o casamento de Connie com Carlo Rizzi, que seria um desastre. Michael não queria se envolver nos negócios da Família e tivera uma vida comum. Freddie e Sonny trabalhavam com o pai, mas havia uma dúvida de quem o sucederia. O mais sensato seria escolher Michael, mas isso era praticamente impossível.

★★
Quando Don Corleone sofre uma tentativa de assassinato, a guerra entre as Famílias explode e a paz que antes estava estabelecida cessa. Com o Don hospitalizado, Sonny assume os negócios. Mas Sonny não tinha a inteligência e prudência do pai, e isso lhe seria fatal. Mortes, traições, sexo, dinheiro, corrupção, mentiras, poder. Tudo se resumia ao poder. Se alguém tivesse mais poder do que você, isso bastava. Quando se tem muito poder as pessoas passam a temer você e o reverenciar. Não por ser leal, bondoso, humilde. Mas porque sabem que você tem o poder de matá-lo a qualquer momento, basta querer ou merecer. Mas mesmo com muito poder o Don foi traído. E a guerra para tomar o seu poder derramou muito sangue, até mesmo o sangue do seu sangue.

Sim, o poder corrompe o homem. Mas o Don não matava por prazer, nem por egoísmo. Tudo o que fazia era pensando nos bons homens que eram rejeitados pela sociedade e pelo poder público, o que os levavam a ter uma vida de miserável. Se o mundo era injusto alguém precisaria criar um mundo onde não houvesse injustiça, mesmo que esse mundo fosse brutal. Há alguns trechos que pode explicar o quanto a sociedade e as autoridades desprezavam alguém que dava a sua vida para a segurança de todos.

Albert Neri foi o único a ficar surpreso quando abriram inquérito no Departamento de Polícia para apurar as acusações contra ele por usar força excessiva. Foi suspenso de suas funções, sendo apresentadas acusações criminais contra ele. Depois de indiciado por homicídio, foi condenado à pena de dez anos de prisão. Naquela época, ele estava tão cheio de fúria frustrada e ódio contra toda a sociedade que não ligava para nada. Ousaram julgá-lo como um criminoso! Ousaram mandá-lo para a prisão por matar um animal como aquele negro cafetão! Não deram a menor importância à mulher e à menina que tinham sido retalhadas a navalha, desfiguradas para o resto da vida, e que ainda se encontravam no hospital.

Eram homens como Alber Neri que o Don se propunha a ajudar, mas nesse caso também Michael. Sim, e possa ser que lhe contei um spoiler. Pois quando o destino de um homem está traçado, nada fará que ele fuja disso. E assim Michael Corleone assumiu o lugar do pai.

Apesar de todo esse lado sombrio e violento de Vito Corleone, o Don, vemos que há um lado bonito também. Um homem preocupado com a família, que nunca fora infiel à esposa, que sempre amou e cuidou dos seus. Um homem que queria transformar o mundo, dar oportunidades às pessoas que tinham capacidade mas eram descartadas por aqueles políticos corruptos e pela sociedade. Algumas coisas nunca mudam e mesmo a história se passando nos anos 1945-55, percebemos algumas semelhanças com a nossa época. O leitor é apresentado a um mundo obscuro, um mundo dentro de um mundo maior, onde quem tem mais poder controla e dita as regras. Não muito diferente do mundo maior, é verdade. Mas conhecemos como as máfias agem, pois essa obra é a mais perfeita reconstituição das famílias mafiosas de Nova York. Um livro onde você pode aprender algumas lições de como liderar pessoas, mas que use para o bem. O desejo de Don Corleone era de que os netos tivessem uma vida comum, que no futuro pudessem ser advogados, juízes, governadores e até mesmo presidente. Não queria que eles se envolvessem nos negócios da Família, pois sabia que isso significaria uma vida difícil e perigosa.


Antes de morrer Don Corleone entende que, mesmo que o mal e a injustiça habite esse mundo, a vida é bonita. Mesmo que homens se matem pelo poder, a vida é bonita. Os únicos responsáveis por transformar isso aqui em um lugar inseguro, corrupto, maldoso e perigoso somos nós mesmos. Pois a vida é bonita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

O Menino do Pijama Listrado | Resenha do Livro

24 de Abril

Ano: 2007
Páginas: 192 Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

Esse é aquele tipo de livro que dá pra ler em um dia. A leitura é simples e envolvente.
A historia relata a vida de Bruno, que em um certo dia ao chegar em casa vê a empregada da família arrumando todas as suas coisas em malas, logo percebe que não só ele mas toda a família irão se mudar, ele tenta de todos os modos a convencer a mãe a não fazer isso, já que ele adora a casa em que mora na cidade de Berlin.
A trama se passa na Alemanha em plena segunda guerra mundial, seu pai sendo comandante, teve que se mudar com a família por questões de seu trabalho. A nova casa de Bruno não é nada convidativa, ele não se agrada dela e logo percebe que ali ele não terá vizinhos e nem crianças com quem brincar. O que o deixa decepcionado e com mais vontade de ir embora.
Bruno é um garoto de nove anos, e como qualquer outro de sua idade esbanja ingenuidade, e deseja sempre alguém com quem possa brincar. Ele tem uma irmã de…