Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

Os melhores livros de 2016


Todo fim de ano é a mesma coisa: sites, jornais e blogs de literatura fazem as famosas listas dos melhores do ano. Com o Café Literário não poderia ser diferente. Em 2016 tivemos vários lançamentos que deixaram os leitores chocados, espantados e horrorizados – no caso de um lançamento ruim. Mas esse é outro assunto. Inicialmente eu iria listar os dez melhores livros de 2016, mas a lista iria ficar extensa e, querendo poupar o leitor, resolvi fazer uma lista com os cinco melhores livros de 2016 – nacionais e internacionais. Foi uma escolha difícil, mas não impossível. Terminamos o ano de 2016 com a sensação de que em 2017 virá muita coisa boa por aí, especialmente no cenário nacional. Quero parabenizar à Record por lançar tantos autores estreantes, dentre os quais dois figura na lista deste blog. Agora chega de papo e vamos aos cinco melhores do ano:


Até você saber quem é, de Diogo Rosas G.

Romance de estreia do autor curitibano Diogo Rosas G. publicado pela Record. É um livro pequeno que causa estranheza e deixa o leitor chocado com os acontecimentos sobre a vida de Daniel Hauptmann, um escritor curitibano que resolve fazer um pacto com o Diabo. Lembrando Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, o protagonista faz aquilo que, segundo ele mesmo, o autor mineiro fez pouco: falar sobre o Diabo. É um livro que fala sobre como o mal pode nos atingir, a tragédia que nos aflige e que pode afetar aquelas pessoas mais próximas de nós e as consequências de um pacto com aquele que muitos têm medo de dizer quem é.





Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia

Também é o primeiro romance do autor, publicado pela Record. A história de Florian Links e os personagens originais e excêntricos que ele conhece na ilha de Santa’Ana Afuera é uma busca pelo divino, uma caça ao tesouro e, por que não, uma viagem para descobrir a si mesmo. Romance de aventura com questões transcendentais e existenciais, Os invernos da ilha é uma grande história que deixa o leitor imerso no mundo de Florian Links durante as quase 500 páginas e o retira de seu inverno para viver os invernos da ilha ao lado de Florian, Rousseau e Cecília.





Um de nós, de Åsne Seierstad

Romance-reportagem de fôlego sobre a vida de Anders Breivik, o norueguês que matou cerca de 77 pessoas na Noruega com a sua frieza típica de um psicopata. Alegando estar fazendo um processo de purificação, pois via que o seu país a cada dia estava se islamizando com mais força, Anders comete o pior atentado terrorista da Noruega. Apesar de temer atentados dos islâmicos contra os seus, os “de fora” seria uma ameaça, ele mesmo, “um de nós”, cumpriu esse papel que ceifou sonhos, futuros e vidas tão jovens. Não cabe julgar pela sua ideologia ou pela ideologia ao qual ele lutava, alegava que os socialistas estavam destruindo o seu país, mas sim a maldade de um homem que se perdeu e deixou o mal contaminar o seu coração ao ponto de não verter uma lágrima sequer pelas vítimas que ele matou cruelmente e covardemente. Um livro indispensável que tira o nosso fôlego e faz com que o leitor lamente por não ser apenas uma história de ficção. O mal é real, e está próximo de nós.

A poeira da glória, de Martim Vasques da Cunha

Um livro valioso que ousa ao analisar a história da literatura brasileira e faz críticas a nomes imortais. Chama Machado de Assis de dissimulado, enfrenta a nossa intelligentsia do passado e presente e desmascara as intenções de escritores como Jorge Amado, Sérgio Buarque de Holanda, Graciliano Ramos e etc.  Por fim, não literalmente, conclui que a nossa literatura é moralmente fraca e elogia nomes como Cecília Meireles, Otto Lara Resende, Nelson Rodrigues e Joaquim Nabuco.





Os soldados secretos de Benghazi, de Mitchell Zuckoff


O livro que narra as 13 horas de horror vivenciadas pelos soldados americanos em Benghazi, que resultaram na morte de quatro americanos. O ataque terrorista não obteria êxito se a então secretária dos EUA, em 2012, Hillary Clinton não tivesse negligenciado as chamadas e pedidos dos americanos em Benghazi. Um livro polêmico que trás a tona toda a verdade sobre o fracasso de Obama e Hillary em sua política externa. 







*Por coincidência ou não, todos os cincos livros da lista são do Grupo Editorial Record. O que me faz prometer ler em 2017 mais livros de diversas editoras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…