Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

A morte de um autor e a busca pelo sentido da vida


Essa história daria um livro: você vai à delegacia e descobre, após ter uma briga com funcionários de um restaurante, que está morto. Foi exatamente isso o que aconteceu com o J. P. Cuenca. Decidiu transformar essa morte em um livro e filme, e o resultado é a história em busca de um sentido existencial, onde a morte é a principal protagonista. Atrás da mulher que havia encontrado o corpo com o seu nome e assinado o atestado de óbito, Cuenca entra em uma investigação para descobrir quem é essa mulher. E nessa busca, ele descreve um Rio de Janeiro como nunca pensávamos, denunciando suas mazelas e injustiças, a ambição de políticos e empreiteiras e a futilidade de uma classe artística e jornalística, que tentam dar às suas vidas um real sentido de felicidade, todas elas superficiais. 

Dar sentido à vida é um dos maiores anseios do Cuenca-personagem-autor nessa ficção autobiográfica, que mistura a realidade com a ficção e a loucura. Sabemos que o nosso sistema é movido à dinheiro, mas o real problema não é um sistema capitalista, mas sim os homens que fazem do dinheiro uma espécie de deus. E assim vivem, reverenciando e idolatrando aquele que irá jogá-lo em um abismo profundo, e quando se dão conta do abismo no qual se jogaram, correm enlouquecidamente atrás de algo que o salve de uma vida vazia. A morte ainda continua sendo um tabu, pois quase todos pensam que são deuses e que seus corpos corrompidos nunca irão apodrecer debaixo da terra. A urgência de ter é mais importante do que a de ser.

O autor-personagem é um observador do que acontece na cidade e descreve o que está ao seu redor de forma ácida. Com as Olimpíadas chegando, o prefeito trata de varrer os rastros de pobreza da cidade para deixar o Rio à altura do grande espetáculo desnecessário e que custaria bilhões ao povo carioca – e brasileiro. Dar o status de cidade de primeiro mundo aos olhos do mundo era o objetivo, mesmo que essa cidade estivesse prestes a falir. Tudo se resumia a ter. E por isso, talvez, a morte para Cuenca seria mais fácil do que viver uma vida sem sentido, rodeado de gente que só pensa em si mesmo e que, apesar de um discurso em prol dos pobres, nunca fez algo palpável para mudar a realidade daqueles que dizem defender.

“(...) a euforia e o autofascínio do carioca nos anos de 2010 eram insuportáveis; a Lapa revitalizada e iluminada era um ninho irrespirável de turistas, estupidez e obscuridade; e qualquer mesa ocupada por artistas cariocas era de uma vulgaridade torturante, com o desfile usual de pensamentos limitados – cheios de fórmulas e receitas, curvados aos fortes, às ideias vencedoras e antigas, ao patrimonialismo e à sede por dinheiro – emitidos por dois grupos principais: os que tinham recibos com o dinheiro do governo grampeados na testa e os que tinham recibos de emissora de TV, do jornal do mesmo grupo dos seus anunciantes grampeados na testa.” (pp. 48-49)

Descobri que estava morto ainda traz algumas reflexões e observações inquietantes sobre o mundo da escrita. Um livro sobre a morte e a vida, que mistura um sentimento de repulsa e compreensão, alegria e tristeza, que faz o leitor dar um sorriso para no próximo parágrafo ser surpreendido por uma observação que talvez lhe afete. Lançado em nova edição pelo selo Tusquets, J. P. Cuenca surpreende por não dar ao leitor fórmulas fáceis e uma história fácil, e deixá-lo naquele estado de inquietação durante e depois da leitura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

O Cavalo e seu Menino, de C. S. Lewis

O terceiro livro de As Crônicas de Nárnia em ordem cronológica, O Cavalo e seu Menino, narra a história de duas crianças fugindo em dois cavalos falantes. Shasta vive em uma aldeia de pescadores e vive como se fosse um empregado do seu pai ‘adotivo’, Arriche. Quando um tarcãa chega à aldeia e pede para se hospedar na casa de Arriche, este aceita sem hesitar. Com um hóspede nobre, o pescador coloca Shasta para dormir no estábulo junto com o burro de carga, tendo como comida apenas um naco de pão. Arriche não era um pai afetivo, acho que ele nem se considerava pai do menino. Via mesmo ali uma oportunidade de ganhar mais dinheiro, e quando o tarcãa oferece uma quantia por Shasta, ele ver que pode arrancar um bom dinheiro com a venda do menino e assim começam a barganhar um preço pelo garoto. Ao ouvir que o seu ‘pai’ iria lhe vender, o menino decide fugir e ir para o Norte — era o seu grande sonho conhecer o Norte. Ao se dirigir ao cavalo, e sem esperar nada, desejar que o animal falasse,…