Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

Você se torna mais inteligente que outras pessoas pelo 'o que' você ler


Há quem defenda que os leitores são ‘superiores’ que as demais pessoas pelo fato de lerem mais de cinco livros por mês. Por superiores, entendemos que são aqueles que se acham mais inteligentes. Mas não é bem assim. Você pode ler mais de cinquenta livros por mês, e mesmo assim ser um ignorante. O que te faz mais inteligente que a maioria — sim, é isso que quis dizer mesmo — não é apenas o fato de ler, visto que no nosso país a leitura é vista pela maioria como algo chato e entediante. É o que você lê que te torna mais inteligente. Sim, você se torna mais inteligente que a maioria pelos livros que você ler. Ou pode-se dizer que quem ler Dostoiévski está no mesmo patamar intelectual de quem lê Jojo Moyes, por exemplo? É claro que não. O leitor que lê Dostoiévski está acima — no sentido intelectual — daquele que lê Moyes. Ora, não estou afirmando que o primeiro é superior ao segundo, mas que é notório que este está em uma posição melhor tratando-se de inteligência. Moyes pode falar de romances de forma magistral, o que não tira seu mérito, mas ela não está no mesmo nível que o imortal Dostoiévski, que já foi eternizado por suas obras que passaram no teste do tempo e ainda continua atual. Mas talvez esteja sendo injusto ao comparar escritores de tempos tão diferentes.

Para exemplificar da melhor maneira possível, voltemos para a realidade brasileira. Pode-se dizer que quem lê os livros da Carina Rissi é tão inteligente quanto aqueles que leem Lygia Fagundes Telles? Sei que são gêneros e estilos opostos, mas as duas estão vivas e acredito que o exemplo é válido. Mas não adianta apenas ler Lygia, se não perceber a essência da obra e tirar conclusões para a própria vida. Assim como o leitor que lê Dostoiévski só por ler está fadado ao fracasso. Não adianta apenas ler, tem que compreender o que o escritor quis transmitir com aquela história — valores, críticas, visão de mundo e etc.


Mas alguns podem argumentar: mas tudo não é literatura? É melhor ler do que não ler nada. Por certo tudo é literatura, mas uma é melhor e outra não. Para os adolescentes que estão descobrindo o mundo da leitura é mais que recomendável ler Rowling, Moyes, Rissi, Sparks e etc. Mas conforme a idade vai chegando, a juventude e a fase adulta da vida, é preciso nadar em águas mais profundas e adquirir mais conhecimento. Fato. Amo Rowling, mas não sou tão ingênuo em dizer que entre um jovem de pouco mais de vinte anos que lê Rowling e outros escritores do gênero infanto-juvenil é tão inteligente quanto aquele jovem da mesma idade que lê clássicos como Hemingway, Fante, Austen e etc. Sei que preciso ler os clássicos e já estou começando esse processo, portanto alguém que leu e entendeu os clássicos não está no mesmo patamar intelectualmente em que estou. Em uma conversa sobre literatura, o mínimo que poderei fazer é ficar calado e aprender com aqueles que são mais inteligentes que eu. É preciso criar esse senso de mudança e partir para novos gêneros, aqueles que costumávamos achar chatos, para ter uma cultura literária de alto nível. E não falo de elitismo aqui. Todos sabem que para crescer e amadurecer, é preciso vários processos. E certamente não será lendo livros para entreter que você irá amadurecer. Livros clássicos ou culturais exigem o máximo de atenção e absorção, e podemos até achar que a leitura é chata, mas depois pegamos gosto e quando menos esperamos, já estamos lendo com prazer aqueles livros obrigatórios em período escolar, entre outros. Antes de concluir, não estou de forma alguma desprezando os livros de entretenimento e seus respectivos escritores, eu mesmo leio esses livros para sair um pouco da rotina e para me divertir um pouco. Mas se você quiser se tornar inteligente, é preciso escolher os livros que você irá ler.

Comentários

  1. Amo romances e livros de história( Brasil e Inglaterra), mas tem muita coisa que deixo de ler por falta de interessa, mas amo observar meus amigos que leram e acabo aprendendo com ele. E quando me interesso por um assunto procuro pesquisar. Hoje em dia você obitem as informações por vários meios..

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…