Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

Quando um livro nos abandona



Eu, você e todos os leitores já passaram pela mesma situação. Lembro que, toda vez que uma leitura não me agradava, culpava o autor, a trama e tudo o que você possa imaginar por ter me decepcionado. A verdade é que nós não abandonamos um livro, como pensávamos, mas sim o livro que nos abandona. Se você vai concordar comigo? Bem, eu não sei. Mas acredito que seja isso que acontece de fato. Por quê? Vamos lá. Para se escrever um livro, atividade essa que conheço muito bem, exige muito esforço da parte do autor. Sim, escrever não é essas mil maravilhas que falam por aí. Não. Exige autodisciplina, suor, paciência, horas e horas parado em frente à tela do computador, vendo o documento em branco. Isso deixa qualquer escritor angustiado, impaciente. Paciência. Escrever é um continuo ato de paciência, ou não. Há quem não concorde. Mas por que estou falando isso? Para explicar que o livro que aquele escritor escreveu, ou ainda irá escrever, é destinado para um tipo de leitor todo especial. Uns escrevem para adolescentes melancólicos, outros para jovens que gostam de aventura, outros para as garotas que gostam de um romance água-com-açúcar e etc.

E é por simplesmente entender isso que cheguei a essa conclusão. O livro me abandona quando percebe que eu, o leitor que o está lendo, não é o alvo da sua história. E aí achamos chato, nonsense, infantil, tosco e vários outros adjetivos negativos. Assim como um livro nos escolhe para lê-lo, e ganha nas primeiras páginas nossa total atenção. Quando um livro nos abandona, desista. Não vá em frente. Feche-o, guarde-o, ou doe-o. Possa ser que ele lhe escolha meses, anos ou décadas depois? Pode. Claro. Conforme o tempo passa, vamos alargando nosso horizonte e a possibilidade de encarar novos mundos. Aí aquele livro que te abandonou anos atrás, aquele que você falou mal do autor, fez críticas ácidas, te escolhe e não há como fugir. Mas isso não acontece com todos os tipos de livros, por exemplo. Um livro sobre uma funcionária que se torna uma escrava sexual do seu chefe não irá te escolher após a primeira não escolha. Mas aí posso estar fazendo aquilo que expliquei nas primeiras linhas. A autora quando o escreveu, não pensou num leitor que acha livros hot uma baboseira, que gosta de Dostoiévski, de ler não-ficção, romance-drama e etc. É claro que ela não pensou em mim, como leitor, quando escreveu sua história. Só estou dando um exemplo objetivo, não que eu tenha feito algum esforço para lê-lo. Ela pensou no leitor que gosta de aventuras sexuais, ou de ler coisas do tipo. Desculpem, mas realmente não imagino como descrever esse tipo de leitor — não quero ofender, muito menos rebaixar alguém por seus gostos literários. Mas para não ser injusto, e parcial, há livros que costumo ler, como romances (por favor, leia romance como um gênero em geral), fantasia e não-ficção que não é um tipo de história que me agrada. Não é o tipo de livro que me escolheu para ser seu leitor. Por exemplo, Machado de Assis. Não consigo ler suas obras, suas obras ainda não me escolheram. Possa ser que em alguns anos venha a lê-los? Pode. Aí ele terá me escolhido e o lerei com prazer. Mas nesse momento, abril de 2016, seus livros não me escolheram. Fazer o que, paciência!

Para finalizar, ainda há aqueles livros que nos escolhem mas que, mesmo assim, deixa-nos decepcionados. São aqueles livros que dá para levar a leitura adiante, há certo prazer em lê-lo, mas que acaba pregando uma peça na gente. É o tipo de livro traiçoeiro, meu amigo. 

Comentários

  1. Bom, analisando suas palavras, me tirou um peso enorme das costa, pois eu imaginava estar abandonado os livros que não conseguia prosseguir com a leitura. Um deles, posso até receber críticas por isso, foi O Pequeno Príncipe. Fui com tanta sede sobre o livro que me decepcionei, ouvi tanta gente falar bem, jovens, á não mais crianças e adultos, mas por fim, não passei da segunda página. Achei bobo demais! Agora um livro que me envolveu completamente foi A Cabana e todos de Lu Mounier.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fabricio! A Cabana foi um dos melhores livros que já li. Lu Mounier eu não conheço, mas é basicamente isso: é o livro que nos abandona, meu caro. Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…