Pular para o conteúdo principal

Os soldados secretos de Benghazi



Onze anos após o ataque terrorista do 11 de setembro, os americanos sofreram um ataque em Benghazi. E o livro 13 Horas – Os Soldados Secretos de Benghazi esclarece esse infeliz acontecimento que matou quatro americanos e deixaram outros americanos feridos na Líbia.  O ataque terrorista ao Complexo de Missão Especial do Departamento de Estado dos EUA começou no dia 11 de setembro e só teve fim treze horas mais tarde. Subestimando os radicais islâmicos e os antiamericanos do Oriente, os funcionários da CIA e da GRS trabalhavam de modo totalmente inseguro em território hostil. O que está no livro é fruto de horas e horas de entrevistas com os operadores que estiveram no ataque ao Complexo e ao Anexo em Benghazi e várias outras fontes. Esse livro é considerado como o mais esclarecedor de todos os outros livros que abordam o tema Benghazi. Esse é o relato de Mark "Oz" Geist, Kris "Tanto" Paronto, John "Tig" Tiegen, Jack Silva, Dave "D.B" Benton e Tyrone "Rone" Woods. 

A leitura é carregada de adrenalina e somos obrigados a não parar de ler e seguir todos os capítulos, desejosos de que tudo aquilo — diferente da realidade — acabasse bem. Mas o livro não é de ficção e infelizmente o que lemos é algo trágico, revoltante e desolador. As perguntas e críticas feitas ao governo Obama tenta obter respostas nos relatos da Equipe de Segurança do Anexo. O fato é que os americanos foram mandados para um território claramente antiamericano sem nenhuma segurança, mesmo que com os sete operadores que eram extremamente profissionais e que já haviam lutado em outras guerras, abandonados e negligenciados por aqueles que deveriam prezar por suas vidas. O Anexo e o Complexo eram alvos fáceis, pois comparados a outros anexos e complexos existentes em outros países do Oriente, eles eram muito desprotegidos. Além de que deveriam confiar em milícias que nem sabiam de qual lado estava. Grupos ligados à al-Qaeda e a outros grupos terroristas islâmicos brigavam entre si por poder. A presença de americanos em sua terra, um lembrete claro de que o Ocidente queria dominá-los, o faziam agir com hostilidades e os levaram a atacar covardemente aqueles que estavam ali para garantir um clima de paz e tolerância. Os islâmicos, principalmente os extremistas, acreditam que todo aquele que não segue Alá e não obedece ao seu profeta Maomé, precisa ser exterminado ou convertido. E é claro que eles queriam exterminar os americanos, e quase conseguiram.


Segundo Hillary Clinton, o que tinha levado aqueles islâmicos a atacar o Complexo e o Anexo seria um vídeo antimuçulmano postado no YouTube. O trailer do filme O Muçulmano Inocente havia causado revolta no Cairo, por isso, a ex-secretária de Estado culpou o “vídeo raivoso” pelo ataque em Benghazi. E isso gerou mais críticas e do mesmo modo elogios. Para o governo Obama, o ataque não tinha ligação com à al-Qaeda e isso também foi e é motivo de duras críticas ao seu governo. Muitos o acusam por não ter previsto esse ataque e por não atender aos pedidos para reforçar a segurança no Complexo e no Anexo. Perguntado recentemente sobre qual seria seu pior erro, Obama afirmou que “Provavelmente não ter executado um plano para o 'depois', o dia seguinte do que foi, acredito, uma intervenção justificada na Líbia”.


13 Horas foi uma leitura angustiante e que manteve meu coração pulsando. Ao fazer uma resenha, a gente tenta ser imparcial, mas o que eu senti quando lia os relatos dos soldados secretos de Benghazi, meu pensamento só era esse: O Ocidente precisa, urgentemente, acabar com esses terroristas! E não só para o Obama, mas para seus críticos — e aqui me incluo — seu pior erro foi não ter feito uma intervenção assim que o regime do ditador Muammar Kadhafi caiu. Talvez essas treze horas não havia se passado da maneira que foi, e nenhum americano teria morrido ou ficado ferido.  

Ano passado, a Paramount Pictures adaptou para o cinema esse livro. Confira o trailer:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Contra o aborto, de Francisco Razzo

A discussão sobre o aborto é bastante polêmica. Aqueles que são a favor da prática abortiva dão inúmeros argumentos, a princípio técnicos, para convencer o público de que o aborto é, na verdade, importantíssimo para garantir a liberdade das mulheres. Mas o que nem todos sabem é que estes argumentos são apenas retóricos. Os defensores do aborto apelam para o emocional das pessoas para que a verdade não seja esclarecida. Pois quando se trata de um assunto tão complexo como este, a busca pela verdade objetiva é essencial.
Também são retóricos alguns dos argumentos daqueles que são contrários ao aborto. Então o nosso debate público se restringe ao uso da retórica e quem for o mais convincente em seus argumentos, não importa se é verdadeiro ou não, vence. Ou seja, não se trata a questão objetivamente e tendo em vista o que é verdade e o que não é.
A postura defendida pelo filósofo Francisco Razzo em seu livro “Contra o aborto” (Record, 266 pgs, R$39,90) é a filosófica. Para Razzo, os argumen…