Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

Destaque nas listas de melhores livros de 2015, “Uma vida pequena” chega ao Brasil‏

"Um testemunho do sofrimento humano levado aos limites, construído em detalhe extraordinário por uma prosa fascinante. Por meio de detalhes perspicazes e sua avaliação década a década das vidas de seus personagens, Yanagihara desenhou um profundo estudo de personagens que inspira ao mesmo tempo em que devasta." Washington Post

"Primoroso. Não é exagero chamar este livro de obra-prima - e talvez este substantivo ainda seja muito pequeno para ele." San Francisco Chronicle


Segundo romance da escritora americana Hanya Yanagihara, “Uma vida pequena” acompanha, por décadas, as trajetórias de quatro amigos, desde que concluem os estudos em uma pequena faculdade de Massachusetts e mudam-se juntos para Nova York. O relato – profundo, perturbador e emocionante – garantiu ao livro lugar em praticamente todas as listas de melhores obras de 2015 na imprensa estrangeira, além do posto de finalista de dois dos principais prêmios literários do mundo: o Man Booker Prize e o National Book Award.
A trama é centrada na amizade de quatro homens: Willem, um aspirante a ator muito bonito e generoso, mas com problemas de autoestima; JB, um pintor descolado que pode ser um tanto cruel e manipulador; Malcolm, um arquiteto frustrado e, de certa forma, oprimido pela fortuna dos pais; e Jude, um advogado brilhante e enigmático. Este último funciona como espécie de elo entre os outros protagonistas, além de dono de um terrível trauma de infância, atormentado pela angústia e com dificuldades de seguir em frente – sentimentos nos quais Hanya mergulha o leitor.
Muito mais do que uma simples história de formação de seus personagens, “Uma vida pequena” aborda temas como raça, sexualidade, amizade, amor, abuso sexual e drogas de forma profunda, mas ao mesmo tempo crua e sem a preocupação de poupar o leitor. O sofrimento é da ordem do cotidiano, e a redenção nem sempre é possível. Com uma prosa muito bem construída, a autora fala sobre dor, memória e tragédia em quase 800 páginas de texto, mas também faz uma bela observação sobre a amizade entre homens. Yanagihara falou sobre essa escolha em entrevistas na imprensa estrangeira:
“Meu melhor amigo – que é um homem de tremenda profundidade emocional e inteligência – discorda de mim neste ponto. Mas acho que homens, quase uniformemente, não importa sua raça, cultura, religião ou sexualidade, são equipados com uma ‘caixa de ferramentas emocional’ muito mais limitada. Talvez não seja endêmico. Mas não conheço nenhuma sociedade que encoraje os homens a colocar os sentimentos em palavras, e muito menos a expressar esses sentimentos. (…) Como escritora, é uma dádiva – e um desafio interessante – escrever sobre um grupo de pessoas limitado desta maneira (e que por acaso é metade da população mundial). Em “Uma vida pequena”, uma das coisas que mais gostei de explorar na amizade desses homens, que é muito próxima, é que ela também é construída num desejo mútuo de não conhecer realmente muito um do outro. Não digo que é algo bom ou ruim – você não precisa confessar tudo a um amigo para ser próximo dele – mas acho que a amizade entre duas mulheres é mais confessional”.

TRECHO: 
“Ele aparentemente escolhera a faculdade de arquitetura pelo pior motivo possível: porque amava prédios. Aquela fora uma paixão respeitável, e, quando criança, seus pais o presenteavam com excursões por casas e monumentos toda vez que viajavam. Mesmo quando era um rapazinho, Malcolm sempre desenhava prédios imaginários, construía estruturas imaginárias: eram um conforto e um refúgio para ele – tudo aquilo que não conseguia articular, tudo que era incapaz de decidir, podia, aparentemente, se materializar num prédio.E de uma maneira fundamental, aquilo era o que mais o envergonhava: não seu pouco entendimento do sexo, não suas tendências raciais desleais, não sua incapacidade de se separar dos pais, ganhar seu próprio dinheiro ou se comportar como uma criatura autônoma. Seu maior problema era que, quando trabalhava ao lado de seus colegas à noite e o grupo se enfurnava em seus próprios sonhos e ambições, quando todos desenhavam e planejavam suas construções improváveis, ele ficava ali sem fazer nada. Perdera a capacidade de imaginar qualquer coisa. Assim, todas as noites, enquanto os outros criavam, ele copiava: desenhava os prédios que vira em suas viagens, prédios que outras pessoas haviam sonhado e construído, prédios onde vivera e pelos quais passara. Vez após vez, fazia o que já fora feito, nem mesmo se dando ao trabalho de melhorá-los, mas simplesmente imitando-os. Estava com 28 anos; sua imaginação o abandonara; nada mais era que um copiador.”
  
Hanya Yanagihara trabalhou como jornalista de viagens antes de escrever seu primeiro romance, o elogiado “The people in trees”. “Uma vida pequena” é seu segundo romance. Mora em Nova York.

Comentários

  1. Esse livro é fascinante, maravilhoso e suas 781 páginas são fácil, porém impactantemente devoradas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino que seja mesmo, ele recebeu muitas críticas positivas lá fora.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…