Pular para o conteúdo principal

C. S. Lewis, um escritor brilhante



Clives Staples Lewis, mais conhecido como C. S. Lewis, foi um romancista, professor universitário, crítico literário, poeta e apologista cristão. Nasceu em Belfast, na Irlanda, em 1898, em uma família cristã. Filho caçula de Florence Augusta Lewis e de Albert James Lewis cresceu rodeado por livros e afastado da vida comum de sua época. Junto com seu irmão, Warren Lewis, passava horas a fio na biblioteca da família. Descrito como uma criança sonhadora, C. S. Lewis perdeu a mãe ainda na infância, quando tinha dez anos. Isso fez com que o “Jack”, nome que adotara para si aos três anos de idade, se isolasse do mundo. Longe da vida materialista do século XX, ainda garoto, Lewis criava suas próprias histórias.

Aos treze anos, abandona sua fé cristã. Em 1919, publica seu primeiro livro sob o pseudônimo Clives Hamilton. Durante a Primeira Guerra, Lewis conhece Paddy Moore, que também servia ao exército britânico e logo se tornaram grandes amigos. Provando ser um homem de palavra e um amigo leal, ele cuida da família de Paddy Moore quando este morre. Aos vinte e dois anos, forma-se em Letras e Literatura em Oxford. Leciona no Magdalen College, em Oxford, de 1925 a 1954. Também foi professor de Literatura Medieval e Renascentista na Universidade de Cambridge. Em Oxford, Lewis conhece J. R. R. Tolkien, com quem discutia sobre literatura e sobre o cristianismo. Tolkien era católico, e o convenceu a retornar à fé cristã. Foi Lewis que ajudou, com conselhos, o amigo a escrever O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Os dois discutiam e se aconselhavam sobre seus escritos no clube que formaram com mais alguns amigos, The Inklings.

C.S. Lewis, JRR Tolkien, Owen Barfield and Charles Williams
Muitos o conhecem pela sua mais famosa obra de ficção e fantasia, que vendeu milhões de exemplares ao redor do mundo e foi traduzida para mais de quarente idiomas, além de ser adaptada para o cinema. As Crônicas de Nárnia tornou-se um clássico e a cada dia mais leitores se apaixonam pelas crônicas, independente de ter sido escrita para crianças. Mas C. S. Lewis não só escreveu As Crônicas, como muitos devem pensar, e nem foi a primeira obra de ficção que publicou. Antes, ele já havia publicado uma trilogia de ficção científica, Trilogia Cósmica, e a fantasia O Regresso do Peregrino, além de Cartas de um diabo a seu aprendiz. Já os livros de não-ficção, a maioria sobre a apologética cristã, também venderam milhões e foram traduzidas para diversas línguas. E por fim, ele também publicou livros de poesia. De fato, foi um dos mais importantes intelectuais do século XX e até hoje influencia vários pelos livros publicados.

Há de enfatizar que todos os seus livros abordam, direta ou indiretamente, um tema: O cristianismo. Isso se explica pelo fato de que o cristianismo o transformou de um dos mais descrentes da Europa, como havia dito, em um dos mais fervorosos defensores da fé cristã. E ele defendeu o cristianismo até o fim de sua vida, em 1963.

Livros

Trilogia Cósmica




A trilogia cósmica aborda a cosmovisão cristã a partir de temas um pouco diferentes, com a premissa de mundos habitados por seres inteligentes. Lewis era fascinado por Ficção Científica e não hesitou em escrever sua própria trilogia.  

As Crônicas de Nárnia



Escrita para crianças, que também aborda a cosmovisão cristã, Lewis aqui usa de analogias para apresentar o Evangelho às crianças de forma divertida e fascinante.

Outros livros que são bastante conhecidos aqui no Brasil é Cristianismo Puro e Simples, Cartas de um diabo a seu aprendiz, O Problema do Sofrimento, O grande abismo, Os Quatro Amores, Milagres, A Abolição do Homem, Surpreendido pela Alegria, entre outros. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Contra o aborto, de Francisco Razzo

A discussão sobre o aborto é bastante polêmica. Aqueles que são a favor da prática abortiva dão inúmeros argumentos, a princípio técnicos, para convencer o público de que o aborto é, na verdade, importantíssimo para garantir a liberdade das mulheres. Mas o que nem todos sabem é que estes argumentos são apenas retóricos. Os defensores do aborto apelam para o emocional das pessoas para que a verdade não seja esclarecida. Pois quando se trata de um assunto tão complexo como este, a busca pela verdade objetiva é essencial.
Também são retóricos alguns dos argumentos daqueles que são contrários ao aborto. Então o nosso debate público se restringe ao uso da retórica e quem for o mais convincente em seus argumentos, não importa se é verdadeiro ou não, vence. Ou seja, não se trata a questão objetivamente e tendo em vista o que é verdade e o que não é.
A postura defendida pelo filósofo Francisco Razzo em seu livro “Contra o aborto” (Record, 266 pgs, R$39,90) é a filosófica. Para Razzo, os argumen…