Pular para o conteúdo principal

A alma do mundo, de Roger Scruton

Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.
As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso …

O Gigante Enterrado e a fantasia sutil


Ambientado em uma Inglaterra medieval e fantástica, habitada por ogros, duendes, cavaleiros e uma dragoa, Ishiguro conta a história de Axl e Beatrice, um casal de idosos que sai em uma jornada até a aldeia de seu filho. Tanto bretões como saxões são afetados por uma névoa que apaga o passado da memória de todos. Quase ninguém se dá conta de que suas memórias são apagadas dia após dia, e o casal, talvez, sejam os únicos na aldeia que percebem o que de fato está acontecendo. Axl ama a sua mulher, e a chama carinhosamente de princesa. Mas um sentimento forte e rancoroso quer despertar e isso possivelmente abalará a vida dos dois. O mesmo acontece com Beatrice, mulher gentil e preocupada com o homem com quem está casada. Os dois se lembram de uma discussão que tiveram, após Beatrice sugerir que eles fossem visitar a aldeia do filho. Axl não recorda desse tal filho e pergunta-se se de fato esse filho existe. Essa névoa do esquecimento afeta de forma sutil mas cruel a todos que, mesmo quando começam a lembrar-se de algo do passado, no mesmo instante pensam na possibilidade de estarem fantasiando. Mas, após uma conversa onde o casal vai costurando o passado com pedaços fragmentados, decidem-se a viajar até a aldeia do filho, que, aparentemente, não sabem onde fica.

É muito esquisito mesmo como o mundo está esquecendo das pessoas e de coisas que aconteceram ontem ou anteontem. É como se uma doença tivesse contagiado a todos nós.

A fantasia apresenta-se de forma sutil, e é muito compreensível que seja assim. Não convém exigir ações frenéticas com elementos fantásticos entrando em cena a cada parágrafo, em uma narrativa onde o assunto principal seja a perda da memória, o que o passado pode revelar e como ele pode destruir a ordem das coisas e como ele põe o amor que uma pessoa sente por outra em dúvida. Até chegar à aldeia do filho, o casal de bretões param em uma aldeia saxã onde todos estão perturbados com a notícia de que ogros demoníacos raptaram uma criança. Axl e Beatrice conhecem o valente guerreiro saxão que libertou a criança da prisão dos ogros, o misterioso Wistan. O saxão acompanha os velhos, pois o menino Edwin que havia sido salvo por ele agora corria risco de morte na aldeia onde vivia, e juntos continuam a jornada que trará revelações assustadoras sobre os padres que viviam em uma antiga fortaleza e o terrível embate de um contra vários. Além do menino e do guerreiro, o cavaleiro sobrinho de Arthur, Sir Gawain, os protege de males futuros, como o perigo que enfrentam em um túnel subterrâneo ao fugirem dos homens do lorde Brennus.


Ishiguro segurando seu livro.


Quando sai da aldeia, o passado vem de forma desconexa à mente de Axl, e este começa a ter uma ideia do que pode ter acontecido no passado e o mesmo acontece com Beatrice. Não sabemos ao certo se as lembranças dos personagens sobre o seu passado é de fato verdadeira, pois como podemos confiar se eles são afetados pela névoa do esquecimento? Mas conforme a narrativa prossegue, podemos ter alguma ideia sobre o passado deles. As divagações também são um empecilho para descobrirmos quem são aqueles velhos bretões e o que de tão assombroso aconteceu com eles. Wistan é um homem misterioso e, todas as vezes que conta algo de sua vida, nunca é de forma concreta. Ele solta uma coisa aqui e outra ali, mas sem revelar o real motivo dele estar tão longe de sua terra saxã. Também desconhece o que causa a névoa, mas logo sabemos que se trata de um blefe. Apesar de ter simpatia pelo casal bretão, jura ódio a todos os bretões. Sua missão, revelada no final do livro, é cruel para todos.

O título do livro não poderia ser outro, e acho que ele diz muito sobre o mistério que envolve toda a história. E, quando o gigante acordar, será caótico. E essa névoa do esquecimento, não como a do livro, mas uma mais nociva está nos afetando diariamente. Não é curioso nos esquecermos do que realmente importa? Ou será que nos esquecemos de coisas importantes por que queremos? Não é estranho o fato de que a amizade, a tradição, a família, o amor e os valores e virtudes estejam se perdendo dia após dia? E nessa aparente névoa, tudo aquilo que herdarmos dos nossos antepassados, está dando lugar à uma coisa mais perigosa, embora esteja embrulhada em um papel colorido e esteticamente belo.


Deve ser efeito dessa névoa. Tem muitas coisas que não me importo nem um pouco que se percam na névoa, mas é cruel quando não conseguimos nos lembrar de algo precioso assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…