Pular para o conteúdo principal

Só o tempo dirá, de Jeffrey Archer

Jeffrey Archer. Fonte: Google Images
Primeiro livro das Crônicas de Clifton, Só o Tempo Dirá conta a história de Harry Clifton, sua dura infância em Bristol até a sua juventude, quando segredos serão revelados e a sua vida tomará um rumo inesperado. Emocionante e surpreendente, Jeffrey Archer faz com que o leitor devore as páginas vorazmente, e o instiga a saber o que está escrito no próximo capítulo, de maneira tal que em um só dia o leitor poderá concluir a leitura. O livro inicia com as memórias de Maisie Clifton, que conta sobre sua vida até conhecer Arthur Clifton e se casar com ele, não fosse uma aventura com um homem que a fez perder a virgindade, a vida dos Clifton seria totalmente diferente. Maise dá a luz a Harry, e poucos meses depois o pai do menino desaparece misteriosamente, o que deixa a mulher com várias dúvidas sobre o paradeiro do esposo. Depois, acompanhamos a narrativa de Harry Clifton e suas aventuras na infância, onde conhece o Velho Jack, homem misterioso e que só revela sua verdadeira identidade mais à frente; entra para o coro da Holy Nativity e a sua voz de anjo encanta a todos, e por ter uma voz tão bela, acaba ganhando uma oportunidade de concorrer a uma bolsa de estudos na St. Bede’s, um colégio tradicional de Bristol e que fornece coralistas para St. Mary Redcliffe.

Na medida em que a narrativa flui, o leitor se apega aos personagens, que são bem construídos e memoráveis. Harry consegue a bolsa de estudos e em seu primeiro dia na St. Bede’s faz amizade com Deakins e Giles, este último, o primogênito de uma das famílias mais ricas de Bristol. Harry e Giles se tornam amigos íntimos, uma amizade que rompe as barreiras sociais. No colégio, todos têm preconceitos com bolsistas e pobres, e mais ainda com o filho de um estivador. Em seu aniversário, Giles convida Harry e Deakins para ir à mansão da família Barrington comemorar mais um ano de vida juntos. A mão de Giles é uma mulher linda e muito simpática, ao contrário do pai do garoto, Hugo Barrington, que trata Harry com indiferença. Mas o motivo para tal indiferença é uma dúvida que Hugo tem sobre o garoto ser mais que um amigo de Giles.

Maisie é uma mulher batalhadora e uma mãe que faz qualquer sacrifício para que a vida do filho seja melhor que a sua. Não é nada fácil manter um filho em um colégio como St. Bede’s, mesmo tendo alguns custos pagos pela bolsa, Maisie precisa se virar para que possa pagar alguns custos extras. Seu amor pelo filho faz com que ela esconda um segredo que arrasará vidas, e por isso toda vez que o filho pergunta sobre o pai, ela responde que ele morreu durante a guerra. Os ingleses estão vivendo com uma possível ameaça de outra guerra “que acabaria com todas as guerras”.  Bristol é uma cidade portuária, e aqueles que não têm muito estudo acabam indo trabalhar nas docas, onde a família Barrington é dona. Maisie trabalha em uma casa de chás, e por ser muito dedicada e fazer com que os negócios prosperem para a sua patroa, acaba recebendo uma oferta de emprego no Hotel Royal, que acaba aceitando e fazendo prosperar o até então mal frequentado salão de chá do hotel. O autor dá uma pequena aula de empreendedorismo ao escrever as ansiedades e preocupações, além das precauções de se ter um negócio, quando Maisie decide ter a sua própria casa de chás.

Harry se apaixona por Emma Barrington, mas o futuro fará com que o jovem Clifton faça uma decisão que porá em risco seu amor pela jovem. A amizade de Harry com Giles é descrita de uma forma muito bonita, e o autor acaba resgatando o real sentido da amizade que anda ultimamente tão perdido. E por falar em valores, a família, a honestidade, educação e o casamento também são retratados aqui.



A narrativa é intercalada pelos principais personagens, o que dá uma visão mais ampla para tudo o que acontece na trama. Realmente fiquei muito surpreso ao ver como o livro foi estruturado. Nas primeiras páginas há a genealogia das famílias Barrington e Clifton. Questões como desonestidade, o papel da mulher na sociedade inglesa dos anos 1930-40, desigualdade social — que não afeta somente aos negros —, incesto, amizade, lealdade e amor, fazem com que Só o Tempo Dirá seja brilhante. Com toda a certeza os leitores irão se deliciar com essa história, e assim como eu, vão ficar ansiosos para o próximo volume das crônicas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Contra o aborto, de Francisco Razzo

A discussão sobre o aborto é bastante polêmica. Aqueles que são a favor da prática abortiva dão inúmeros argumentos, a princípio técnicos, para convencer o público de que o aborto é, na verdade, importantíssimo para garantir a liberdade das mulheres. Mas o que nem todos sabem é que estes argumentos são apenas retóricos. Os defensores do aborto apelam para o emocional das pessoas para que a verdade não seja esclarecida. Pois quando se trata de um assunto tão complexo como este, a busca pela verdade objetiva é essencial.
Também são retóricos alguns dos argumentos daqueles que são contrários ao aborto. Então o nosso debate público se restringe ao uso da retórica e quem for o mais convincente em seus argumentos, não importa se é verdadeiro ou não, vence. Ou seja, não se trata a questão objetivamente e tendo em vista o que é verdade e o que não é.
A postura defendida pelo filósofo Francisco Razzo em seu livro “Contra o aborto” (Record, 266 pgs, R$39,90) é a filosófica. Para Razzo, os argumen…