Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

Primeira edição do Festival Publique-se acontecerá de 27 de Outubro a 01 de Novembro, no Recife


A primeira edição do PUBLIQUE-SE! Festival de Publicação Independente acontece entre os dias 27 de outubro e 01 de novembro de 2015. A programação envolve temas que interessam ao campo editorial independente, com atividades de formação, exposição, feira e ateliê de publicação.
Espaços do Museu da Cidade do Recife serão ocupados, com acesso gratuito ao público. A iniciativa é da Editora Livrinho de Papel Finíssimo e conta com incentivo do Funcultura – Fundo de Incentivo à Cultura de Pernambuco.
O PUBLIQUE-SE! tem como mote principal a autopublicação, ou publicação independente, desde a criação ao escoamento da produção. Foram concebidos ambientes para a reflexão e a prática, mas também o encontro e a troca de saberes entre elos de toda a cadeia produtiva do livro autoral.
O Museu da Cidade do Recife se transformará em um lugar de criação de alternativas para dar mais fluxo à produção editorial independente. Primeiro encontro realizado no Nordeste voltado especialmente para o tema, o PUBLIQUE-SE! pretende criar um ambiente em que artistas, editores e autores, além do público interessado, possam vivenciar esse mundo de modo intenso.
O Festival surge como uma grande oportunidade diante do grande crescimento da publicação independente no Brasil, das também crescentes dificuldades de posicionamento de mercado que enfrentam as pequenas editoras e da importância dessas editoras para a bibliodiversidade.
 Formação
Séries de oficinas, debates e palestras, com temas definidos a partir de lacunas percebidas na formação das pessoas envolvidas no mercado editorial independente. As atividades têm o objetivo de propiciar o compartilhamento de experiências entre publicadores e equalizar saberes.
As oficinas visam suprir demandas detectadas ao longo do desenvolvimento da própria Livrinho de Papel Finíssimo e se destinam a um público que já pratica ou se interessa por autopublicação. A ideia é potencializar a cadeia produtiva em atuação. Já os debates e palestras se abrem ao público em geral interessado em cultura e contemporaneidade.
 Exposição
Um ambiente preparado para se refletir sobre as possibilidades do livro em estreito diálogo com as artes gráficas e visuais. A curadoria está a cargo de Betânia Corrêa de Araújo, que se guiará pela ideia de “Cadernos que viram livros que viram cadernos”.
Dois prêmios serão oferecidos, sendo o primeiro para livros que vão estar fisicamente expostos e liberados para manuseio pelo público. Cerca de quarenta artistas foram convidados a participar do módulo presencial. A premiação será fruto de voto popular.
O segundo se destina a fotografias de livros, que por qualquer razão não poderiam estar expostos e à disposição dos leitores. Neste caso, tanto a seleção dos livros a serem expostos, quanto a premiação, estão a cargo da curadoria do Festival. A convocatória para participação neste módulo está disponível no LINK.
Os prêmios são no valor de R$ 2.942,55 (valor bruto de 3.000, com dedução de R$ 57,45, referentes aos tributos segundo a legislação de premiação). As inscrições seguem abertas até o dia 30 de setembro e o período de exposição é de 15 de outubro a 14 de novembro de 2015.
 Feira
Feira com espaços destinados a trinta (30) expositores, editoras e autores independentes, com foco na produção brasileira contemporânea. O objetivo é reunir e apresentar a Pernambuco a crescente produção de escritores, fanzineiros, ilustradores e artistas visuais que já circulam em feiras independentes de todo o Brasil (como a Feira Plana, Feira Tijuana e a Feira Estampa). Será a atividade de encerramento do Festival PUBLIQUE-SE!
A convocatória para participação está disponível com inscrições abertas até 30 de setembro no LINK. A Feira irá ocupar a Praça D’Armas do Museu nos dias 31 de outubro e 1º de novembro.
 Ateliê Publique-se!
Publicação na hora!
Consiste em um ateliê editorial aberto à participação do público, montado com todo o equipamento básico para publicação de livros: computadores, máquinas impressoras/fotocopiadoras, papel e material de montagem artesanal. Os textos apresentados podem ser poemas, crônicas, minicontos e ilustrações. O autor pode acompanhar e participar ativamente de todo o processo editorial independente, ou seja, da edição, editoração, impressão e montagem de livros. No final do evento, serão lançados livretos com esses conteúdos.
Duas ações do Ateliê Publique-se! foram realizadas pela Livrinho de Papel Finíssimo. Uma no Festival de Inverno de Garanhuns em 2009, como “Literatura na Hora”, e outra na VII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, em 2011, já com este nome.
Ficha Técnica
Sabrina Carvalho – Coordenação Geral
Rodrigo Acioli – Coordenador de Formação
Camilo Maia – Coordenação de Design
Leta Vasconcelos – Coordenação da Feira PUBLIQUE-SE!
Mayra Melo – Coordenação da Feira PUBLIQUE-SE!
Philippe Wollney – Coordenação Editorial Ateliê PUBLIQUE-SE!
Fred Vasconcelos – Coordenação de Planejamento
Rose Lima – Coordenação de Produção
Caio Dornelas – Produção Executiva
Rodrigo Ramos – Contador
Marla Derzi – Auxiliar Administrativo
Betânia Corrêa de Araujo – Curadoria da Exposição
Eva Duarte – Coordenação de Comunicação
André Raboni – Gestão de Redes Sociais
Dayvson Marques (Surface Lab) – Desenvolvimento do site
Irma Brown – VT da Exposição
Raphael Malta Clasen – Registro Audiovisual


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…