Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

As mais belas histórias da Antiguidade Clássica (Vol.1) | Resenha do Livro


336 páginas de puro conhecimento mitológico. Para quem ama mitologia greco-romana, esse livro é o que eu recomendo. Os mitos e metamorfoses são escritos em versão romanceada, com notas no rodapé das páginas. No livro encontramos os mitos de Herácles, ou Hércules como é mais conhecido, a expedição dos Argonautas, a trágica história de Édipo entre outras. O primeiro mito do livro que nos é apresentado é o de Prometeu, um grande favorito dos românticos, que foi o primeiro a habitar a Terra recém criada. Em As mais belas histórias da Antiguidade Clássica, aprendemos mais sobre essa parte da História que tanto nos fascinam. Escrito em forma de romance, o que nos proporciona uma leitura mais ágil e gostosa. A presente obra, que foi escrita visando os leitores não-especialistas, foi usada como manual didático e introdução à mitologia clássica nas escolas alemãs até o início do século XX. Para se ter uma ideia da influência dessa obra, As mais belas histórias da Antiguidade Clássica serviu como fonte para diversos mitos de Wagner. 


O livro tem o prefácio de Paulo da Cunha Corrêa, que nos apresenta o autor, Gustav Schwab, 1792-1850, estudante de filosofia e teologia de Tübingen e integrante do círculo de poetas suábios. O escritor ficou mais conhecido com esta reunião de mitos greco-romanos, chamados por ele de "sagas" (Die schönsten Sagen des klassischen Altertums, 1838-40).

 Como já escrevi acima, o livro é de fácil compreensão e foi escrito pensando nos jovens, iniciando-os ao estudo sobre mitologias. Nada de narrativas lentas e entediantes, fiquei maravilhado pela prosa ágil do Gustav. A tradução brasileira não foi feita a partir do original, mas da versão modernizada de 1974 pela Dra. Ilona Paar. 

 Eu, por gostar muito de mitologia, amei o livro. O fato dos mitos serem romanceados, me ajudaram a compreender alguns mitos que nunca tinha ouvido falar. Em nenhum momento vi falhas na tradução, a capa e a diagramação do livro são muito bonitas. Gostei também das notas nos rodapés das páginas, que nos informam mais sobre aquele mito em questão e como eles são em outras versões. Também gostei do apêndice, que nos explicam sobre os deuses celestes, das águas, da terra e dos Ínferos. A obra toda é muito completa, e mal posso esperar para ler o segundo e terceiro volume.

Héracles, matando um monstro.
O livro também serve como uma valiosa fonte de estudos para os escritores, que podem mergulhar nos mitos cheios de deuses, sátiros, centauros, monstros malignos, náiades, faunos e feiticeiras. Além de ser uma obra didática para mim, ela também servirá como inspiração para que eu possa escrever minhas histórias fantásticas. E fica notável do quanto Rick Riordan mergulha nessas fontes, como também entendemos mais das criaturas mágicas que encontramos em Nárnia, Harry Potter e em O Hobbit. Não só na literatura a mitologia serve de influência, mas em nosso mundo também. A palavra moeda em grego significa "a que adverte", que eram cunhadas ao lado do templo Juno. Europa, segundo o mito, foi uma jovem raptada por Zeus, este metamorfoseado de touro, e que a levara para uma ilha distante onde recebeu a profecia de uma deusa de que aquelas terras seriam chamadas de Europa. O livro tem tradução de Luís Krausz.

Mais informações

Título: As mais belas histórias da Antiguidade Clássica (vol.1)
Autor: Gustav Schwab
Editora: Paz e Terra
Páginas: 336
Avaliação:
Sinopse: Uma obra que oferece ao leitor, em três volumes, uma ampla coletânea dos mitos gregos e romanos em versão romanceada “Hoje, As mais belas histórias da Antiguidade Clássica permanece como leitura valiosa não apenas para adolescentes, mas também para adultos. Útil para quem procura um primeiro contato com os mitos da Antiguidade clássica (sem a aridez habitual aos manuais de mitologia), as narrativas são também lidas com grande prazer e curiosidade pelos já iniciados, pois é antes de tudo obra de valor literário intrínseco, além de qualquer função didática que possa ter.” - Paula da Cunha Corrêa. No primeiro volume estão reunidos “Metamorfoses e mitos menores”, a começar pelo mito de Prometeu, o mito hesiódico das gerações humanas e os relativos às origens das tribos gregas. Além destes, as histórias dos argonautas, de Héracles e os heraclidas, Teseu, Édipo e a guerra de Tebas.

Comentários

  1. Oi, tudo bem?;
    Não sou fã de mitos gregos, mas sou fã de alguns filósofos. Eu acho que eu não iria consegui finalizar a leitura desse livro, mas gostei muito da sua detalhada e bem explicada resenha :D

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Eu preciso desse livro para ontem hahaha desde pequena, gosto muito de mitologia greco-romana e egípcia, mas a falta de tempo me impede de pesquisar mais e mais. Será que tem em e-book? Vou adorar ler ele *-* ótima indicação.

    Beijos
    http://www.breakingfree.blog.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem??

    Fiquei apaixonada por mitologia em geral depois de ler Percy Jackson... Desde então sempre procuro conhecer mais sobre os mitos e já adquiri alguns livros sobre também. Já anotei o nome desse, adorei a resenha e com certeza vou adquiri-lo assim que tiver a oportunidade...

    XOXO
    Umnovo-roteiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Taí um livro que despertou meu total interesse. Ainda mais para quem está no aprendizado da escrita, pode ser uma ótima fonte de histórias e inspirações. :D

    http://legadodaspalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Allenylson!
    Esse livro não combina nem um pouco comigo, de verdade. Até me interesso por mitologia e vi que vc disse ser uma versão pra jovens, mas prefiro numa pegada mais contemporânea, tipo releitura, sabe?
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…