Pular para o conteúdo principal

Múltipla Escolha, de Alejandro Zambra

O começo do livro foi bem nada com nada, me senti perdido. Qual o leitor que está acostumado com um livro, que conta diversas histórias sobre os mais variados assuntos, no formato de questões de vestibulares? Por isso o título “Múltipla Escolha”. É um chamado para sair do óbvio e forçar a mente a tirar significado de algo, primeiramente, sem sentido. Algumas páginas adiante já comecei a entrar na ideia do autor e acabei adorando o livro. Frases pequenas, com múltiplas escolhas para substituir os espaços em brancos, faz invocar logo aqueles tempos de escola. Acostumados a obedecer e ter que marcar alguma alternativa, percebermos o quanto fomos treinados e não educados, como o autor enfatiza. Aliás, é um dos assuntos que mais me marcou e proporcionou pensamentos filosóficos sobre o nosso sistema educacional, onde somos treinados a dar uma resposta correta, com medo de que não seja a correta, mesmo que outra alternativa faça mais sentido. 
Por que devemos adivinhar o que o professor/educa…

Uma Praça em Antuérpia | Resenha do Livro


Uma praça em Antuérpia narra a incrível história de Clarice. O primeiro dia do ano de 2000 traria a tona lembranças de uma vida há muito esquecida. Do Rio de Janeiro, voltamos para o Norte de Portugal, no ano de 1916. Clarice e Olívia vinha ao mundo, sua mãe morrera no parto das gêmeas. O pai, por amar demais Josefina, a mãe das crianças, culpara os bebês pela morte da amada. E assim Clarice e Olívia cresceram, sem o amor do pai, mas com o amor da avó e da criada Lina que ficou no papel de mãe. Depois da morte do pai, a avó é que toma conta da quinta da família. O filho de Lina, que foi como um filho para Manuel, não quis tomar a frente do negócio do falecido. Viajara para Lisboa, só voltando para o enterro de sua mãe e para se casar com Olívia. Juntos, foram viver na capital. Só voltariam para enterrar a avó e levar Clarice para viver com eles, pois Antonio prosperava com sua venda na frente de casa. É lá que Clarice conhece Theodor, foi amor a primeira vista. Mas, por ser comunista, o pianista e judeu teve que fugir do governo autoritário de Salazar, deixando Clarice chorando amargamente. Depois de algum tempo sem dar notícia, Clarice descobre que está grávida de Theodor. Um dia, recebe uma carta dele dizendo que era para ela se esquecer dele. Grávida, Clarice parte para Guarda, para ter o bebê por lá e também para não ser mal falada na cidade. Theodor descobre ao voltar para Lisboa que Clarice está gravida, e parte para se encontrar com a mãe de seu filho e levá-la para a Bélgica. Iriam construir uma família em Antuérpia, uma cidade de lapidadores e de judeus. Sempre com o temor de uma nova guerra ser declarada, a família Zuskinder fora feliz em Antuérpia, com o nascimento do filho e uma vida sem preocupações. Até aquele momento. O terceiro Reich estava ocupando cidades vizinhas, o nazismo era um rolo compressor que estava passando por toda a Europa. E por ser judeu, Theodor fica preocupado com a expansão do Führer, e teme pelo pior. Até Antuérpia ser bombardeada. Aí começa a fuga por várias cidades, o perigo à espreita, o medo de ser pegos pelos nazistas e serem deportados para campos de concentração. 

Uma leitura eletrizante. Sofremos com todos aqueles dilemas da família Zuskinder. Clarice grávida, Bernardo com três anos, e Theodor na figura de um pai que é capaz de tudo para salvar a família da guerra, eles passam por tantas situações humilhantes, aterrorizantes... Os capítulos curtos faz com que a leitura ganhe um ritmo mais acelerado. Através das páginas amareladas, revivi esse episódio tão terrível da história mundial. A Segunda Guerra é retratada de uma forma impressionante.

Um romance histórico emocionante! Fiquei sem fôlego com todos os detalhes sobre aquela guerra que dizimou milhões de vidas, a miudeza dos detalhes, a emoção que nos é transmitida pelos personagens. A construção de uma personagem aparentemente frágil, mas que se mostra muito forte, uma mulher guerreira, por passar tantas coisas que passou e ainda permanecer de pé, e ao mesmo tempo sem deixar de ser cativante e e dotada de sentimentos também me surpreendeu. Foram momentos de angústia pelos judeus e todos aqueles que sofreram, aflição com a fuga dos Zuskinder que parecia não ter fim, raiva por existir pessoas tão cruéis como Hitler, que com sua mente doentia espalhou o câncer nazista. Nunca li um romance tão bem escrito como este, não sei se pelo fato de ser histórico, já que amo história, ou pelo simples fato de Luize Valente ser uma incrível escritora, retratando toda a sua humanidade, sua essência... 

Esqueçam todos esses romancezinhos água com açúcar. Uma praça em Antuérpia é o Romance. Se você gosta de uma literatura rica em detalhes, com uma carga elevada de criatividade, esse é o livro que recomendo. Poucos livros me fazem chorar, e ao final da leitura, lágrimas caíram dos meus olhos. O design do livro é lindo, a diagramação impecável. Tentei procurar algum ponto negativo, mas não encontrei. Preciso ler mais Luize Valente.

Mais informações:


Título: Uma Praça em Antuérpia
Autora: Luize Valente
Páginas: 364
Editora: Record
Avaliação: (Excelente)
Sinopse: Uma Praça em Antuérpia - Após sua estreia literária com O segredo do oratório, sucesso de público e crítica, Luize Valente volta a mergulhar, de maneira ainda mais surpreendente, na história de uma família de migrantes em Uma praça em Antuérpia. Com domínio da narrativa, que vai e volta do ano-novo de 2000 em Copacabana para os anos da eclosão da Segunda Guerra na Europa, Luize reconstitui a desgraça imposta pelo nazismo aos judeus, razão pela qual muitos deles viriam fazer a vida no Brasil. 
Reunindo sensibilidade pelo drama humano e extensa pesquisa histórica, Luize retrata a chaga do nazismo na miudeza do cotidiano, na intimidade das famílias alemães e europeias, com bárbaros desdobramentos em Portugal, no lar de Clarice e Olivia, de onde a narrativa parte para ganhar o mundo e o Brasil. Acompanhamos a fuga de Clarice e seu marido, o pianista judeu Theodor, por grande parte da Europa, sempre um passo à frente da perseguição nazista, fuga que leva parte da família a cruzar o oceano. Como se não bastasse essa narrativa de tirar o fôlego, Luize presenteia o leitor com um final emocionante e totalmente inesperado.

Comentários

  1. Eu sou fascinada por livros que retratam a Segunda Guerra Mundial, então com certeza já adicionei à lista de livros que quer ler. Porém, mesmo que eu não gostasse do tema, você já teria me convencido. Depois de tantos elogios, impossível não ter vontade de realizar a leitura haha Que bom que o livro foi tudo isso para você! Espero que ele me surpreenda e comova da mesma forma. Gostei muito do enredo, então acho difícil me decepcionar. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oiieee!
    Nossa, sua resenha está ótima e me deixou cheia de vontade de ler esse livro. Ainda mais o cenário em que ele se passa, além de eu amar romances históricos, sou uma grande fã da segunda guerra mundial!
    Pode ter certeza de que ele entrou para minha lista de desejados!
    Beijos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  3. Oiee!
    Uau, sua resenha está maravilhosa, até me deixou curiosa pela história do livro, mas não o lerei xD esse tipo de livro literalmente não faz meus gostos, eu levarias dias e dias para conseguir terminá-lo :/

    Beijos!
    www.amigadaleitora.com

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Não conhecia o livro, mas só pelo fato de ser romance histórico que aborda o nazismo já me chamou muito a atenção. Gosto muito de ler histórias dessa época em que o "câncer nazista", como você disse, fez muitas vítimas. Deve ser uma leitura emocionante.
    Ótima resenha!
    Beijos.

    Li
    Literalizando Sonhos

    ResponderExcluir
  5. Olá.
    Não conhecia o livro.. Embora pareça muito interessante, não faz muito meu estilo de leitura. Mas vou anotar a dica caso um dia eu queria conhecer um pouco mais sobre as vítimas do nazismo :D

    Beijos ;*
    Proseando com uma BibliophileFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bom?

    Não conhecia esse livro, e gostei bastante da sinopse e do tema discutido! Esse tipo de história me fascina um pouco, adorei a dica!

    Beijocas,
    Ana - www.bookzonthetable.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Allenylson!
    Já vi esse livro pelas livrarias e já tinha me interessado, a leitura parece ser bem intensa. Além do mais, adoro livros que misturam fatos fictícios com a realidade.

    Beijos,
    Fernanda
    www.oprazerdaliteratura.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Alle
    Tua resenha está magnifica! Sério mesmo, vc nos envolve com suas belas palavras. Eu ando enjoada desses romances bobos, como vc msm disse água com açucar rsss não dá nenhuma emoção né.
    Curti bastante tua resenha e acho q esse livro promete altas emoções, já quero ler!!!
    Bjo querido

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Resenha linda!
    Estou com o livro aqui em casa e as poucas páginas que li me encantaram, uma leitura apaixonante para um leitor maduro!
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oie tudo bem?
    Que resenha linda, você resumiu muito bem e colocou muito bem o que achou, mas confesso que não é meu tipo de literatura, mas eu vou procurar incluir mais livros do genero nas minhas leituras.
    http://clubedabelezaemaquiagem.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Que resenha mais empolgante, esse livro só conheço por nome, mas me alegra que não seja um romance água com açúcar rs
    esses realmente me desanimam, fico tempao sem ler procurando um livro que não me entedie nas primeiras páginas, que se desenvolva bem. Esse parece ser assim, gostei de saber mais sobre ele. bjoks

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?
    Não li muitos romances históricos, mas gosto muito deste tipo de leitura...
    Histórias retratadas que ocorrem em determinado período histórico une o útil ao agradável, porque a gente meio que 'vîvencia' a história e os fatos históricos. Especificamente os que são sobre a II Guerra Mundial, acabam nos tocando de uma forma particular, sempre me comovem e me fazem questionar a nossa civilização. você disse para não esperar um romance água com açúcar, fico imaginando o quanto este livro deve prender, ser apaixonante. Não só vai para minha lista, como vai 'passar a frente' de alguns...Excelente resenha, ótima dica!
    Beijo , Allenylson!
    Alessandra | http://ale-dreams.net

    ResponderExcluir
  13. Gente que livro é esse? *o*
    Só de pensar nesse romance que foi atrapalhado me anima hehe gosto de ver o povo sofrer, brincadeira. Ele parece ser muito interessante, logo vou dar uma chance para ele.

    Abraços!!
    http://lendocomobiel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Não conhecia o livro e embora tenha gostado da sua resenha, esse não é meu tipo de leitura.
    Mas fico feliz que tenha sido uma boa escolha para você e tenha ficado satisfeito com ela! =)
    Beijos!

    www.livrosdajess.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Download gratuito de livros: Crime ou um mal necessário?

Há dias atrás, questionei sobre a prática de downloads de livros de graça na internet. Eu mesmo confesso que sou um desses praticantes, e a reação das pessoas foram das mais diversas. Alguns entediam, e mesmo assim afirmava que era contra tal prática; outros, mais exaltados, diziam que isso era crime, e comparava as pessoas que baixavam e baixam livros pela internet como criminosos de alta periculosidade; outros, que era totalmente a favor de tal prática, explicava sua opinião sobre o assunto e depois era "crucificado" por tal afirmação — a de que baixava livros de graça sim, obrigado.

Os argumentos contrários eram contraditórios, pois afirmavam que tal prática afetava justamente aquele autor iniciante que ralava muito para publicar de forma independente, e quando conseguiam, alguém ia lá e disponibilizava gratuitamente seu ebook para download. Sendo que esse argumento é falho e refutável, pois a "demanda" e a real "necessidade" de baixar livros gratuitame…