Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

"Palavras de um Sonho" te desperta do sono | Resenha do Livro


Olá! Hoje vou escrever um pouco sobre esse livro de poesia que recebi da Chiado Editora, a nossa parceira. Não há muito o que falar, pois como já disse anteriormente, se trata de um livro de poesia. Palavras de um Sonho já me impressionou na dedicatória do autor:
Não me poderei definir.
Não  me sei definir.
Sei apenas que sou.
Não só o que sou.
Sou o que ouvi.
Sou o que aprendi.
Sou o que fui.
Sou o que vivi. 
O qual dedica ao seu "Pai", o avô Fernando. Depois de ler essa pequena poesia logo na dedicatória do livro, já tinha chegado a conclusão de que Tiago Pereira é um jovem poeta muito talentoso. Com poesias sobre a vida, a razão, o coração, o autor nos brinda com lindíssimas estrofes poéticas que nos deixam despertos do nosso sono, sono esse o de somente existir, e nos leva a uma intensa meditação sobre nossas vidas.

Que sei eu das coisas que existem?
Nada. Apenas que tudo não será certamente.
E se eu conhecesse todas as coisas?
Sufocar-me-ia o tédio abismal de as conhecer.
Mil pontos finais colocados no viver.
As coisas, todas elas, vestem o seu encanto
No desconhecimento que delas temos.
Que não é, nem tão pouco, nem tanto.
E eu contento-me assim.
Por não as saber até ao seu fundo.
Por me permitir divagar por raciocínios
Sem deles extrair uma exacta ideia do mundo.
(Trechos de "Sei das Coisas", pag. 18) 
O livro é curtinho, de uma leitura leve e deliciosa, para quem gosta de poesia Palavras de um Sonho é uma ótima pedida. São poesias que nos levam a pensar sobre o real sentido da vida, confronta nossas razões e fala dos sentimentos em nossos corações. Me identifiquei em várias, li algumas pelo menos umas três vezes, e a cada nova leitura, o significado se renovava sem perder a essência. Amei a edição do livro, a capa preta deu um charme a mais e vou ficar aguardando novidades do Tiago Pereira com a Chiado Editora.
E além das poesias, o autor nos presenteia com frases muito sábias, por exemplo, Um dia quis ser quem não fui, e em nenhum quem hoje sou. Confira o teaser do livro: 





Mais informações:

Título: Palavras de um Sonho.
Autor: Tiago Pereira.
Editora: Chiado Editora.
Páginas: 88
Avaliação: (Ótimo)
Sinopse: A realidade que acompanha a nossa existência é construída a partir do conhecimento que retemos das coisas que tocamos, das paisagens que vislumbramos, das pessoas que amamos.
Resignar-nos perante o que consideramos ser real é reconhecer, com plena consciência desse conhecimento, a incapacidade do ser humano para se superar diante de novas inquietudes, aventuras e sentimentos. Todavia, para enorme gáudio dos racionais, a existência humana não se reduz a um rumo, à partida decretado, pelas regras da sociedade.
Estas “Palavras de um Sonho” nascem na irreverente juvenilidade de alguém que se assume como um eterno sonhador, não revelando hesitações de qualquer ordem em afirmar que o seu maior sonho está em conseguir o que outros não conseguiram. A viagem pelo plano do Sonho convida o autor a versar sobre as suas mais díspares memórias, reais e ficcionadas.
Um folhear desta obra embalará o leitor numa constante batalha, nem sempre compreendida, entre a emoção e a razão, o coração e a mente. Esta intensa dualidade é particularmente dissecada à luz do Sonho mais genuíno que a nossa existência pode conhecer - o Amor. 
Que a capacidade de Sonhar de quem lê se ouse transpor pelas palavras desta Poesia!

Comentários

  1. Confesso que não é o meu tipo de leitura. Eu não sou a maior fã de poesias, normalmente eu prefiro crônicas e coisas do tipo, mas... até que eu gostei da proposta do livro.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Gente, que tudo lindo.
    A resenha, o livro, o teaser.
    'Que sei eu das coisas que existem?' Realmente, nada sabemos. Estou tão encantada que fiquei sem palavras.
    Parece ser tudo tão resiliente...
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Allenylson, como já tive oportunidade de dizer, é para mim um orgulho que tenhas analisado e apreciado a minha Poesia :)

    Somos os dois jovens e ambos sabemos que, muitas das vezes, a pessoa comum conota a juventude com uma falta de noção sobre as coisas da vida, mas felizmente estamos cá para mostrar que, no mínimo, existe vontade para fazermos mais e melhor nesta planeta que é nosso.

    Despeço-me, com o desejo de que corra tudo bem contigo e com o teu blogue. Continuarei sempre seguindo! Deixo também o link do espaço pessoal onde coloco grande parte do meu trabalho: https://20e4.wordpress.com/

    Um grande abraço!

    Tiago Pereira

    ResponderExcluir
  5. Olá, Allenylson!
    Eu realmente não consigo entender quando algumas pessoas dizem não gostar de poesia...
    Poesia é a essência da alma!
    Por isso, entendo perfeitamente quando você relata que se identificou com várias poesias do livro.
    E que honra ter o autor Tiago Pereira comentando a sua resenha, hein?

    Beijos!
    http://fabi-expressoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Que versos lindos! Sou apaixonada por poesias! Fico feliz quando vejo um livro resenhado, uma poesia lida... =D Parabéns pela resenha e ao Tiago pelo livro!

    Lindo seu blog!
    Pensamentos Valem Ouro

    ResponderExcluir
  7. Que profundo.. que delicioso ...vou procurar a obra para ter e ler ..parabéns amigo :)
    http://florroxapoemasepoesias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

O Cavalo e seu Menino, de C. S. Lewis

O terceiro livro de As Crônicas de Nárnia em ordem cronológica, O Cavalo e seu Menino, narra a história de duas crianças fugindo em dois cavalos falantes. Shasta vive em uma aldeia de pescadores e vive como se fosse um empregado do seu pai ‘adotivo’, Arriche. Quando um tarcãa chega à aldeia e pede para se hospedar na casa de Arriche, este aceita sem hesitar. Com um hóspede nobre, o pescador coloca Shasta para dormir no estábulo junto com o burro de carga, tendo como comida apenas um naco de pão. Arriche não era um pai afetivo, acho que ele nem se considerava pai do menino. Via mesmo ali uma oportunidade de ganhar mais dinheiro, e quando o tarcãa oferece uma quantia por Shasta, ele ver que pode arrancar um bom dinheiro com a venda do menino e assim começam a barganhar um preço pelo garoto. Ao ouvir que o seu ‘pai’ iria lhe vender, o menino decide fugir e ir para o Norte — era o seu grande sonho conhecer o Norte. Ao se dirigir ao cavalo, e sem esperar nada, desejar que o animal falasse,…