Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

Por que não li John Green | Artigos



Então, até que eu comecei a ler A Culpa é das Estrelas, mas parei no capítulo 19. Li muito não é mesmo? E posso garantir a todos os fãs do autor que super gostei de sua escrita. Mas, o que acontece é que houve aqui no Brasil uma explosão de ACEDE, e se posso dizer assim, virou modinha. A timeline do Facebook estava cheia de menininhas postando fotos do livro, citações e etc. O mesmo acontecia com o Twitter. Por isso resolvi deixar a leitura de lado, estava esperando a poeira abaixar sabe... Mas aí veio a notícia da adaptação para o cinema. Nem preciso falar o que aconteceu. E junto com ACEDE, os demais títulos de John, de certo modo, virou modinha. Cidades de Papel, Quem é Você Alasca?. e o Teorema Katherine caiu no gosto de todos. E é exatamente por isso que decidi não ler nada de Green até essa moda passar, vejo que os fãs idolatram muito o cara e, se eu fizesse uma resenha, ou desse alguma opinião contrária estaria morto (risos).

Como eu escrevi acima, não sou contra John Green, muito menos contra os fãs. Só decidi não ler os livros do cara até a moda "João Verde" passar, mas pelo visto isso não acontecerá nem tão cedo. Já que outra adaptação de um livro dele pro cinema está sendo rodada. Mas é isso, espero que vocês entendam o meu ponto de vista. Antes de terminar a escrever, quero ressaltar o quão importante John é para a maioria dos adolescentes, que o livro ACEDE ajuda muitos que batalham contra o câncer a ter esperanças e enfrentar isso tudo. Os méritos são inescusáveis, todos vemos o quanto ele é apaixonado pelo que faz e no quanto ele se envolve em causas sociais e etc.

Comentários

  1. Ainda não li nada dele, mas recentemente resolvi aproveitar uma promoção no submarino e comprei alguns livros dele para conhecer o autor. O problema das modinhas é que de tanto ouvir/ler falarem bem do livro, crio expectativa demais e acabo me decepcionando.
    Claro que modinhas são importantes para formar novos leitores.

    http://www.eucurtoliteratura.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tainan! Sim, as modinhas tem esse lado positivo que é de formar novos leitores. Espero que eu leia algo dele em breve. Beijos!

      Excluir
  2. Li ACEDE um pouco antes da coisa explodir, e não gostei. Nunca me senti na obrigação de gostar e, quando me perguntavam, falava numa boa que não me agradou, por diversos motivos. O mesmo aconteceu com Teorema Katherine, que nem sequer terminei a leitura, porque o livro é ruim mesmo (e devolvi pra quem me emprestou haha). Confesso que já tava de saco cheio de John Green e dessa coisa toda em cima do nome nele, mas resolvi dar uma chance. E acabou que não é implicância nem nada, eu simplesmente não curto haha Aliás, sempre que livro vira modinha eu simplesmente não leio. Caso eu dê a sorte (ou azar) de ler antes disso, tudo bem.
    Enfim, acho que você deveria terminar a leitura de ACEDE e dar sua opinião numa resenha, sim, das mais sinceras, respeitando, claro, a figura do autor e dos fãs, analisando só a obra em si. Não tem que ter medo de fã, não hahaha
    Abraços ;)
    armadaescrita.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A segunda pessoa que eu leio falando que não gosta dele, e eu acho que é bem por aí mesmo. Vou dar uma chance a ele também, e depois fazer uma resenha bastante sincera dizendo se eu gostei ou não. Obrigado pelo comentário, e não terei medo dos fãs rs. Abraços!

      Excluir
  3. Eu já li A Culpa é das Estrelas e amei.
    Mas deixando isso de lado, não acho que você deveria esperar a fama passar. Okay que em uma época estava insuportável. Mas o legal de ter um blog, é poder resenhar o que VOCÊ acha de uma coisa.
    E daí que algumas pessoas fossem comentar negativamente? Já pensou quantas pessoas aí fora pensam exatamente o contrário e querem ouvir um ponto de vista diferente, pelo menos uma vez?
    Não estou impondo nada a você, até porque seria ridículo. Mas você deveria pensar no como poderia ser bom ter um pensamento diferente da tal "modinha".
    De qualquer maneira, eu infelizmente te entendo. Mas quem sabe se no futuro você use isso ao seu favor?

    Beijos da tia Ruuh
    www.pequenaleitora.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ruama! Primeiramente quero agradecer pelo seu comentário, e vou dar uma chance e terminar de ler ACEDE e fazer uma resenha. Respeito todos aqueles que gostam e que não gostam, por isso vou seguir a sua dica para ter uma opinião mais sólida. Beijos!

      Excluir
  4. Olá
    O primeiro livro que li do John foi O teorema Katherine. Li quando estavam todos falando de ACEDE, mas eu não queria ler, porque estavam todos lendo. Gostei bastante de OTK. Me diverti muito lendo. Depois de um tempo, ganhei ACEDE e resolvi ler, já que meu primeiro contato com o autor tinha sido ótimo. Eu li e gostei bastante também. Fui criticada por ter gostado? Claro que fui. Eu leio desde meus 3 anos de idade (sério. Meu pai me ensinou muito nova) e já tenho 21, 20 na época em que li pela primeira vez ACEDE.
    Acho que você deveria dar uma chance ao autor, mas não tenha medo de não gostar. e não gostar, dê sua opinião sincera. Nenhuma obra agrada a todos, isso é fato.
    Beijos

    Vidas em Preto e Branco 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lary, obrigado pelo seu comentário! É bom ouvir opiniões diferentes sempre, e sim, vou dar uma chance pra ele. Mesmo que eu não leia imediatamente, vou separar um dia para terminar de ler o livro. Beijos!

      Excluir
  5. Oi!
    Eu também nunca li nada no autor e nem tive interesse em ler, sou muito receosa quanto a romances dramáticos. Na verdade, sou receosa com o estilo romântico em geral, não curto muito, e os poucos que gostei tem relação com literatura fantástica...
    Como estou buscando ampliar meus gostos, estou forçando alguns romances goela abaixo. Quem sabe, em um futuro não muito distante, eu leia qq obra do JG?
    Bj-Ka!
    http://1001nuccias.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/1001nuccias
    https://twitter.com/nucciadecicco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, também não aprecio muito romances desse tipo. Mas tenho que terminar de ler acede pra dar uma opinião final, beijos!

      Excluir
  6. Li primeiro Cidades de Papel e gostei, depois parti para A culpa é das estrelas, que tambem gostei, mas pela minha idade e por ter filhos adolescentes, tive uma visao diferente da historia. Li sob o ponto de vista de uma mae. Atw no filme, as cenas que me emocionaram foram aquelas em que Hazel interagia com seus pais. Bom, eu devia ter parado ai e ficado com uma impressão boa do Green, mas.... me aventurei em Teorema Katherine: não gostei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, entendo rs... Acho que os livros deles tem uma pegada didática também, bem, não posso falar muito pois não o conheço tão bem. Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…