O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos


Sinopse: Após ser expulso da montanha de Erebor, o dragão Smaug ataca com fúria a cidade dos homens que fica próxima ao local. Após muita destruição, Bard (Luke Evans) consegue derrotá-lo. Não demora muito para que a queda de Smaug se espalhe, atraindo os mais variados interessados nas riquezas que existem dentro de Erebor. Entretanto, Thorin (Richard Armitage) está disposto a tudo para impedir a entrada de elfos, anões e orcs, ainda mais por ser tomado por uma obsessão crescente pela riqueza à sua volta. Paralelamente a estes eventos, Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) e Gandalf (Ian McKellen) tentam impedir a guerra.

Depois de muito tempo, quase morrendo de ansiedade, eu assisto A Batalha dos Cinco Exércitos. E o que falar gente? O que eu, pobre mortal, posso dizer desse filme? Simplesmente incrível, Peter Jackson está de parabéns pelo trabalho e pela produção dos três filmes que conta a história de Bilbo bolseiro.



Para quem ainda não sabe, O Hobbit é baseado no clássico mundial de J. R. R. Tolkien. Como a história é rica em detalhes, foi feita três partes para contar tudo sobre a aventura do ladrão hobbit e dos anões em busca do tesouro do antigo reino dos anões. A Batalha dos Cinco Exércitos mostra como essa guerra começou. No filme anterior, A Desolação de Smaug, acaba com o dragão indo para a cidade do lago com o objetivo de destruí-la. E é assim como A Batalha começa. Smaug é morto, a montanha solitária agora está sem o dragão que antes não deixava que ninguém se aproximasse dela. 

Uma luta pelo ouro que está na montanha, mais precisamente no castelo do avô de Thorin, acaba de ser iniciada. 



Não vou contar todos os detalhes, porque não quero ser acusado de soltar spoiler e estragar o prazer de vocês. Efeitos incríveis, fiquei impressionado com a perfeição dos elfos, dos orcs, da batalha. A trilha é perfeita, em harmonia com as cenas. 



Os atores, como sempre, brilhando e dando um show à parte. O momento dramático e romântico do filme, é quando Kili (ou Fili?) morre nos braços da Tauriel.



Antes de terminar, o momento mais trevas (do capiroto) é quando os demônios, espíritos ou como queiram chamar é repreendidos por Galadriel, e manda os balrogs, servos de Melkor, pras profundezas do inferno (risos).


 Como ousaria dar uma nota abaixo de cinco? É claro que dou Cinco xícaras de café, se bem que poderia dar mais. Uma pena que as aventuras de Bilbo não vai mais pras telonas (aaaaaaaah). Sim, estou triste.

Comentários

  1. oi, tudo bom?
    ainda não li os livros - na verdade li um pedaço e não consegui terminar - mas tenho muita vontade de terminar logo para assistir! apesar de ver algumas críticas negativas pela internet afora, eu quero muito tirar a "prova dos 9" haha *--*
    adorei a crítica que fez, acho que foi muito bem explicado!
    beijos!
    ah, já estou te seguindo para acompanhar o blog :D

    http://resenhandoaarte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Aliscia! Pois bem, do ponto de vista técnico ele foi bastante criticado negativamente mesmo, pois três filmes não seria necessário, pois como vemos, a trilogia fica meio arrastada, com falta de diálogos e construção de boas cenas. Mas do ponto de vista de fã, escrevi essa resenha por esse ponto de vista, foi maravilhoso! Espero que leia o livro e o assista, tenho certeza que vai gostar! Beijos. (acho que escrevi demais, quando se trata de O Hobbit perco um pouco a cabeça rs)

      Excluir

Postar um comentário