Pular para o conteúdo principal

Do Universo à Jabuticaba, de Rubem Alves

Ler os livros de Rubem Alves é uma maravilha. Neste livro, ele fala sobre a velhice, a educação, alma, religião, sexo, culinária, sabedoria e muito mais. Com seus textos curtos, Rubem consegue com maestria tocar a nossa alma. Cada palavra tem que ser mastigada, degustada e saboreada. A cada crônica lida, eu parava e começava a pensar sobre o que ele tinha escrito. Me sentia mais leve ao ler Do Universo à Jabuticaba, como me sentia ao ler Ostra Feliz não faz Pérola. Rubem é um grande defensor da educação, e critica a forma como as escolas ensinam as nossas crianças e jovens. Ele acreditava que o problema da educação não era a falta de recursos, mas sim a falta de criatividade. Dizia, em um dos seus textos, que os recursos financeiros não faz a educação. Mas a educação precisava de recursos financeiros. Para ele, o assunto sexo não é tabu. Fala sobre isso com leveza, humor e sabedoria. Um intelectual, educador e psicanalista. Rubem possuía um cemitério de mortos, onde ele plantava uma árvore para cada amigo que morria. Fiquei pensando se alguém plantou alguma árvore para ele, acredito que sim. Mas a minha pergunta é: Como é que um autor desse nível, muito sábio e brilhante, ainda é pouco conhecido aqui no Brasil? Rubem deixou uma vasta obra, muito rica em literatura e pouco conhecida. Quero e vou espalhar a sua semente para que os leitores mais jovens que eu possam ler Rubem.



Leitura gostosa, leve e sensível. O livro para mim é como se fosse um pedacinho do divino, Rubem transmite isso aos seus leitores. Me deixa mais tranquilo e feliz. Me fez enxergar a vida com outros olhos. Que Deus permita que a sua memória nunca seja esquecida.
Esse post foi pequeno, mas enorme em sentimentos bons. Espero que vocês se interessem em ler esse autor incrível.

Informações:
Autor: Rubem Alves
Editora: Planeta
Avaliação: ★ 
Formato: Digital (Kindle)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Contra o aborto, de Francisco Razzo

A discussão sobre o aborto é bastante polêmica. Aqueles que são a favor da prática abortiva dão inúmeros argumentos, a princípio técnicos, para convencer o público de que o aborto é, na verdade, importantíssimo para garantir a liberdade das mulheres. Mas o que nem todos sabem é que estes argumentos são apenas retóricos. Os defensores do aborto apelam para o emocional das pessoas para que a verdade não seja esclarecida. Pois quando se trata de um assunto tão complexo como este, a busca pela verdade objetiva é essencial.
Também são retóricos alguns dos argumentos daqueles que são contrários ao aborto. Então o nosso debate público se restringe ao uso da retórica e quem for o mais convincente em seus argumentos, não importa se é verdadeiro ou não, vence. Ou seja, não se trata a questão objetivamente e tendo em vista o que é verdade e o que não é.
A postura defendida pelo filósofo Francisco Razzo em seu livro “Contra o aborto” (Record, 266 pgs, R$39,90) é a filosófica. Para Razzo, os argumen…