Chef | Crítica do Filme


Carl Casper (Jon Favreau) é o chef de um restaurante badalado de Los Angeles, mas volta e meia enfrenta problemas com o dono do local (Dustin Hoffman) por querer inovar no cardápio ao invés de fazer sempre os pratos mais pedidos pelos clientes. Um dia, um renomado crítico gastronômico (Oliver Platt) vai ao restaurante e publica uma crítica bastante negativa, baseada justamente no fato do cardápio ser pouco criativo. Furioso, Casper vai tirar satisfação com ele e acaba demitido. Pior: a briga vai parar na internet e se torna viral, o que lhe fecha as portas nos demais restaurantes. Sem saída, ele recebe a ajuda de sua ex-esposa (Sophia Vergara) para reiniciar a vida no comando de um trailer de comida.
Bem, Carl agora se vê no dilema de recuperar sua reputação de renomado chef. Ele tem um filho do seu relacionamento com Inez, que tenta conciliar o papel de pai com o de chef. Após receber uma crítica bastante negativa de um crítico muito famoso, ele com a ajuda do filho cria uma conta no Twitter, e sem saber como funciona direito a rede social, manda uma mensagem para Ramsey Michel o desafiando e o chamando de idiota e convida para ir outra vez no restaurante para provar seu novo prato. 
A mensagem é vista pelos mais de um milhão de seguidores de Ramsey, que o responde. Carl agora tem a única chance de voltar a ser o Chef badalado de antes, mas o dono do restaurante não permite ele inovar no cardápio. Rola uma discussão, e Carl é demitido. A noite o crítico chega, e quem ta comandando a cozinha é o auxiliar de Carl. 
Carl decide ir ao restaurante, e tem um ataque. Ele insulta o crítico, fala aos berros e a briga para na internet, o que o deixa arrasado. Sem nenhum emprego, ou chance de recomeçar, sua ex decide ajudá-lo e é aí que o ápice do filme acontece. Com mais tempo com filho, ele monta seu foodtruck e sai vendendo sanduíches cubano. Logo se torna um sucesso, e abre seu próprio restaurante.
O filme é bom, faz você rir moderadamente mas o que é mais especial nesse filme, é que, ás vezes nós precisamos recomeçar do zero sem medo de errar ou sem ter alguém para dizer o que se tem que fazer. Porque as vezes, o que nos impede de prosseguir, é aquela velha forma de pensar, achando que pra trabalhar precisa seguir o padrão e ganhar seu dinheiro e pronto. Dar valor a família, e saber não guardar rancor das situações e das pessoas que eventualmente lhe fizeram mal, mas que gerou o bem.

Comentários

  1. Oi Allenylson, tudo bom? Eu confesso que sou um pouco chata pra filmes, eu só assisto dramas e aqueles suspenses bem surpreendentes e tensos kkkkk, eu tenho o pé atrás com comédias, eu não costumo rir com elas, normalmente eu dou risada quando não é essa a intenção kkkkk. Vá entender!!
    Beijos

    blogfalandodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eva, tudo bem sim! Já eu digo que sem livros e filmes a vida seria totalmente chata kkkkk essa comédia não é daquelas que arranca gargalhadas, mas o filme é todo especial (sou suspeito a falar de filmes assim, amo cozinhar e comer haha) Beijos.

      Excluir
  2. Nunca tinha ouvido falar desse filme, mas adoro a Sophia Vergara, ela é maravilhosa!
    Mas filme com comida não dá muito certo hahaha Eu ia ficar com fome o tempo todo :P
    Beijos
    literalmentefalando.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Iris, filme com comida é uma tortura hahaha quando acaba o filme você fica com uma fome devastadora rs. Beijos!

      Excluir

Postar um comentário