Pular para o conteúdo principal

A alma do mundo, de Roger Scruton

Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.
As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso …

Livros que esclarecem o 11 de setembro

O TERRORISMO ISLÂMICO E OS ATAQUES DE 11 DE SETEMBRO
Divulgação
"Plano de Ataque - A História dos Vôos de 11 de Setembro"
Como foi concebido o atentado terrorista de 11 de setembro? Como os pilotos suicidas foram recrutados e que treinamento receberam nas montanhas do Afeganistão? Como viveram secretamente nos Estados Unidos, nos meses anteriores ao ataque? E o que realmente aconteceu durante os vôos daquela manhã? O livro reconstitui minuciosamente episódios pouco conhecidos, recupera detalhes da tragédia que mudou o mundo e mostra como tudo começou a partir de uma ideia quase despretensiosa da Al Qaeda, que tinha tudo para dar errado.
Divulgação
Demétrio Magnoli investiga as motivações do terrorismo global da Al Qaeda
  • "Terror Global", de Demétrio Magnoli
O jornalista e doutor em Geografia Humana pela USP Demétrio Magnoli faz um ensaio sintético sobre o significado dos atentados de 11 de Setembro e as causas que movem a Al Qaeda no livro "Terror Global", da Série 21 da Publifolha. "Vivemos sob o signo do 11 de Setembro. Vale a pena tentar entender o que aconteceu naquela manhã", diz Magnoli. Sua tese é sombria: "A meta dos terroristas que conspiraram contra as torres gêmeas é restabelecer o califado, isto é, o império islâmico, uma autoridade máxima, política e religiosa, que materialize a unidade e a centralização do mundo muçulmano".
Leia a introdução do livro "Terror Global".
Divulgação
Agente infiltrado revela as entranhas do terrorismo islâmico
"Por Dentro do Jihad", de Omar Nasiri
Vivendo no limite da tensão, lado a lado com os homens que desejavam matá-lo. Assim era a rotina de Omar Nasiri, agente secreto que trabalhou para os principais serviços de inteligência da Europa entre 1994 e 2000. Do submundo das células islâmicas na Bélgica até os campos de treinamento no Afeganistão e as mesquitas radicais de Londres, esse homem arriscou a vida com o objetivo de derrotar a emergente rede global que o Ocidente viria a conhecer como Al Qaeda. No livro "Por Dentro do Jihad - Uma História de Espionagem", Nasiri rompe o silêncio e descreve, pela primeira vez, a realidade dos anos que viveu infiltrado. O relato revela a grande organização da rede terrorista, oferece uma perspectiva original, envolvente e provocativa das motivações dos homens jihadistas e acaba com as noções simplistas em relação à espionagem e os demais esforços de contra-terrorismo das potências ocidentais.
Divulgação
Livro analisa a política norte-americana e a atuação da Al Qaeda
"Al-Qaeda e o que Significa ser Moderno", de John Gray
Classificado como "provocante" pelo The Observer (Reino Unido) e "(...) repleto de insights estimulantes" pela The Nation (EUA), o livro "["Al-Qaeda e o que Significa ser Moderno"]":http://livraria.folha.com.br/catalogo/1011516 apresenta uma visão original sobre o grupo terrorista e o efeito devastador dos ataques de 11 de Setembro sobre o mito dominador do Ocidente. John Gray, professor de Pensamento Europeu na London School of Economics e colunista do jornal britânico The Guardian desfaz uma série de lugares-comuns sobre a organização terrorista --como aqueles que a classificam como medieval. "Esta visão é, simplesmente, errada. Como o comunismo e o nazismo, o islamismo radical é [um fenômeno] moderno", diz o autor. Ele aponta "zonas de anarquia" de "estados fracassados" como o nascedouro da Al Qaeda e a descreve como um subproduto da globalização.
Divulgação
  • "Globalização, Democracia e Terrorismo", de Eric Hobsbawm
O historiador inglês Eric Hobsbawm investiga o mundo contemporâneo com vigor, paixão e lucidez nos ensaios do livro "Globalização, Democracia e Terrorismo" (Companhia das Letras). Examinando temas agudos da política internacional dos nossos dias --o imperialismo, o poder dos mercados e da mídia, a democracia-- e relacionando-os com assuntos do dia-a-dia, como o futebol, Hobsbawm oferece idéias provocativas e aponta a "barbarização" da sociedade a partir da tecnologia, da atividade econômica e da globalização. O historiador não poupa críticas à atuação do governo americano, tanto do ponto de vista econômico-financeiro quanto do político-militar, e esboça um novo cenário para o século, ressaltando o crescimento das desigualdades econômicas e sociais e dos desequilíbrios ambientais e políticos trazidos pela globalização baseada no conceito do mercado livre.
Divulgação
Romance de Don Delillo trata da vida em NY após o 11 de Setembro
  • "Homem em Queda", de Don Delillo
A aterrorizante imagem de um homem em queda da torre norte do World Trade Center após os ataques de 11 de Setembro dá nome a este livro do premiado romancista Don DeLillo, vencedor do National Book Award (EUA). Em "Homem em Queda" (Companhia das Letras, 2007), DeLillo acompanha o advogado Keith, um sobrevivente que reavalia sua vida após os ataques, e suas relações com personagens nova-iorquinos. Ao narrar a jornada de Keith, De Lillo oferece ao leitor uma poderosa observação das reações humanas aos ataques terroristas e do estado mental dos americanos após o ataque. A ferida aberta transforma a vida de todos: há o fim de toda e qualquer rotina; a instauração de uma nova realidade de angústia e incerteza; o surgimento do ódio contra tudo o que é islâmico, e a paranóia de enxergar em todas as coisas possíveis sinais de um novo ataque.
*
A INVASÃO DO IRAQUE
Divulgação
A Queda de Bagdá Jon Lee Anderson Livraria
"A Queda de Bagdá", de Jon Lee Anderson
Uma história bem diferente da versão oficial do governo dos EUA para a invasão do Iraque é oferecida no livro "A Queda de Bagdá"(Objetiva), do jornalista Jon Lee Anderson, colaborador da revista The New Yorker e autor de "Che - Uma Biografia". Ao contrário da maioria dos jornalistas ocidentais, que cobriram a invasão do Iraque ao lado de tropas dos EUA e seus aliados, Anderson realizou uma cobertura independente, seguindo iraquianos "comuns" por quase dois anos e observando os efeitos devastadores da guerra sobre essas pessoas.
Divulgação
De Bagdá, Com Muito Amor Jay Kopelman e Melinda Roth Livraria
"De Bagdá, Com Muito Amor", de Jay Kopelman e Melinda Roth
O ex-marine norte-americano Jay Kopelman denuncia a corrupção nas forças de coalisão lideradas pelos EUA no Iraque e ataca a burocracia do exército norte-americano no livro "De Bagdá, Com Muito Amor" (Best Seller). A linha condutora do livro é a história pessoal de Kopelman. Em meio aos escombros da cidade iraquiana de Fallujah, no Iraque, ele encontra e adota um cachorro vira-lata. Ao narrar os esforços para manter o cão junto a seu pelotão mesmo contra ordens superiores, o norte-americano faz um relato particular e provocativo dos horrores da guerra.
Divulgação
Livro mostra a formação e atuação dos mercenários da Blackwater no Iraque
"Blackwater - A Ascensão do Exército Mais Poderoso do Mundo", de Jeremy Scahill
No dia 16 de setembro de 2007, 17 iraquianos foram assassinados na praça Nisour, em Bagdá, por funcionários da companhia de segurança privada Blackwater, a serviço do Departamento de Estado dos EUA. O incidente colocou o nome da Blackwater nas primeiras páginas dos jornais de todo o mundo. A partir de rigoroso trabalho de investigação e entrevistas com iraquianos, membros do exército dos EUA e da própria Blackwater o jornalista Jeremy Scahill revela os subterrâneos da Blackwater e investiga a atuação da empresa no Iraque no livro "Blackwater - A Ascensão do Exército Mais Poderoso do Mundo" (Companhia das Letras, 2008). O autor investiga ainda em que medida a ascensão de exércitos privados pode ameaçar a democracia nos EUA e no mundo todo.
Divulgação
Livro retrata as torturas da prisão de Abu Ghraib no Iraque
"Procedimento Operacional Padrão", de Philip Gourevitch e Errol Morris
Em 2004, uma série de fotografias das torturas e humilhações impostas a prisioneiros iraquianos de Abu Ghraib por soldados dos Estados Unidos vieram a público pela primeira vez na revista "The New Yorker" e no programa "60 Minutes" da rede CBS. A revista revelou que soldados americanos comandavam diversos tipos de abuso --de estupro a eletrocução e ataques de cachorro-- em Abu Ghraib. O livro "Procedimento Operacional Padrão" (Companhia das Letras, 2008) oferece um profundo trabalho de investigação sobre o caso e mostra como as decisões do governo Bush influenciaram o que aconteceu em Abu Ghraib.
Fonte: Folha Online

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

O Menino do Pijama Listrado | Resenha do Livro

24 de Abril

Ano: 2007
Páginas: 192 Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

Esse é aquele tipo de livro que dá pra ler em um dia. A leitura é simples e envolvente.
A historia relata a vida de Bruno, que em um certo dia ao chegar em casa vê a empregada da família arrumando todas as suas coisas em malas, logo percebe que não só ele mas toda a família irão se mudar, ele tenta de todos os modos a convencer a mãe a não fazer isso, já que ele adora a casa em que mora na cidade de Berlin.
A trama se passa na Alemanha em plena segunda guerra mundial, seu pai sendo comandante, teve que se mudar com a família por questões de seu trabalho. A nova casa de Bruno não é nada convidativa, ele não se agrada dela e logo percebe que ali ele não terá vizinhos e nem crianças com quem brincar. O que o deixa decepcionado e com mais vontade de ir embora.
Bruno é um garoto de nove anos, e como qualquer outro de sua idade esbanja ingenuidade, e deseja sempre alguém com quem possa brincar. Ele tem uma irmã de…