Pular para o conteúdo principal

Contracultura Cristã - John Stott | Resenha do Livro

Editora: ABU
Páginas: 235
Autor: John Stott

Sinopse - Contracultura Cristã - A mensagem do Sermão do Monte - John Stott

A cultura do Reino de Deus é baseada na autoridade e governo de Deus, e os padrões do Reino de Deus são totalmente opostos aos reinos deste mundo. Os padrões do Reino de Deus são duradouros e não se degeneram com as adaptações da modernidade. O povo de Deus precisa ser capaz de rejeitar atitudes e padrões que não são pertinentes ao Reino de Deus, porque a cultura do povo de Deus é conformada segundo o Reino de Deus, onde o Rei – o Senhor do Reino está acima de qualquer comportamento que se opõe à Sua vontade e autoridade. A notícia e assunto principal dos filhos do Reino deve ser o Rei JESUS e as dimensões do Reino de Deus, coisas do Espírito, do reino espiritual. 
Contracultura Cristã: a contracultura está relacionada às pessoas ou grupos de pessoas cujo comportamento é contra aquilo que está numa cultura geral. 
Contracultura cristã é um sistema de valores cristãos, padrão ético, devoção religiosa, estilo de vida e relacionamentos; onde os padrões, valores e maneira de viver são delineados pelo governo de Deus. 
Stott mostra-nos que a encarnação e vivência do Sermão do Monte, levaria de fato, a igreja a funcionar como uma sociedade alternativa que sempre tencionou ser, e poderia oferecer ao mundo uma autentica contracultura cristã

Eu sugiro que esse livro seja o melhor sobre o tema abordado. Muitos conhecem o significado da contracultura, e aqui John Stott deixa explicito que não é aquele movimento hippie, muito menos o desejo de acabar com a cultura do presente século, porque isso seria impossível. 

O Sermão do Monte, analisado trecho a trecho, versículo a versículo, é como se fosse um manual da contracultura cristã. Jesus é o Mestre da contracultura, e portanto, é ele que nos ensina como devemos agir para viver ela literalmente. Ele começa pelas bem-aventuranças, nos ensinando o que devemos fazer para ser bem-aventurado, e o que não fazemos para ser. Exemplo, se eu for manso de coração, logo eu sou bem-aventurado e herdarei a terra. Se eu não for manso, não herdarei a terra. Nos explica o que os não-cristãos fazem, e nos ensina a ser contrários a eles.


A ordenança de ser sal e luz, John nos explica da seguinte forma: Antigamente, o sal era condimento para preservar a carne, porque no tempo de Jesus não havia geladeira. Se não tivesse o sal, logo a carne iria se deteriorando e logo apodreceria. E também com a luz, que ilumina um lugar que está escuro, em trevas, e logo quando a luz entra naquele espaço não há mais escuridão, porque a luz não tem comunhão com a escuridão. Assim somos nós cristão, estamos aqui na terra para preservar o mundo, não deixar que ele se deteriore, esse é o nosso papel. E como as pessoas poderão viver sem luz? Pois, somos a luz que eles precisam. 

O livro é muito rico em detalhes, e nos ensina e mostra como podemos viver essa contracultura, esclarecendo assuntos difíceis de se compreender, trazendo comentários de reformadores, doutores, mestres e filósofos cristãos, e finaliza fazendo uma análise em tudo que se foi estudado. Sim, essa obra é pra ser estudada e praticada, se assim não o for, perderá sua riqueza e nada valerá em ter o lido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

Contra o aborto, de Francisco Razzo

A discussão sobre o aborto é bastante polêmica. Aqueles que são a favor da prática abortiva dão inúmeros argumentos, a princípio técnicos, para convencer o público de que o aborto é, na verdade, importantíssimo para garantir a liberdade das mulheres. Mas o que nem todos sabem é que estes argumentos são apenas retóricos. Os defensores do aborto apelam para o emocional das pessoas para que a verdade não seja esclarecida. Pois quando se trata de um assunto tão complexo como este, a busca pela verdade objetiva é essencial.
Também são retóricos alguns dos argumentos daqueles que são contrários ao aborto. Então o nosso debate público se restringe ao uso da retórica e quem for o mais convincente em seus argumentos, não importa se é verdadeiro ou não, vence. Ou seja, não se trata a questão objetivamente e tendo em vista o que é verdade e o que não é.
A postura defendida pelo filósofo Francisco Razzo em seu livro “Contra o aborto” (Record, 266 pgs, R$39,90) é a filosófica. Para Razzo, os argumen…